Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

MCR, freira de 72 anos, branca, asmática com história de uso crônico e intermitente de corticoides, hipertensa em uso de enalapril e hidroclortiazida, com Índice de Massa Corporal (IMC) de 19 Kg/m², sedentária, nuligesta, menopausa aos 46 anos e que nunca fez terapia de Reposição Hormonal. MCR foi submetida a exame de densilometria óssea com os seguintes resultados: ¾ Densidade Mineral Óssea (DMO) de L1-L4 de menos 3,7 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para adultos jovens e menos 2,9 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para a mesma idade, peso e sexo. 3/4 DMO de colo femoral de menos 1,4 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para adultos jovens e menos 1,0 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para a mesma idade, peso e sexo. Quanto ao diagnóstico densitométrico, pode-se afirmar que a paciente tem:

A
osteoporose de coluna e do colo do fêmur, sendo que apenas na coluna os resultados alertam para a possibilidade de osteoporose secundária
B
osteoporose de coluna e do colo do fêmur, sendo que tanto na coluna como no fêmur os resultados alertam para a possibilidade de osteoporose secundária
C
osteoporose de coluna e osteopenia femoral,sendo que apenas na coluna os resultados alertam para a possibilidade de osteoporose secundária
D
osteoporose de coluna e osteopenia femoral,sendo que tanto na coluna como no fêmur os resultados não permitem suspeitar de osteoporose secundária
A trombólise endovenosa no AVC agudo deve excluir:
Paciente feminina, 67 anos, vem ao pronto-socorro apresentando dor localizada em face interna da raiz da coxa direita, abaixo do ligamento inguinal, onde existe hiperemia intensa, calor local e tumoração dolorosa com ponto de flutuação. É submetida à drenagem cirúrgica da coleção, que dá vazão a secreção purulenta amarronada extremamente fétida (anaeróbios) entremeada por conteúdo entérico. Qual a hipótese diagnóstica mais provável?
A hipoglicemia é o distúrbio metabólico mais frequente no período neonatal. Qual a situação abaixo é considerada fator de risco para este distúrbio metabólico?
Um paciente masculino, branco, 65 anos, com diabetes do tipo II, foi submetido à ressecção de tumor de cólon. Aos doze dias de pós-operatório, sob NPT e apesar da cobertura de antibióticos de amplo espectro, apresenta 38,5 ºC de temperatura axilar e instabilidade hemodinâmica. Entre outras alterações, os exames laboratoriais revelam leucocitose, creatinina de 2,8 mg/dL e hemocultura positiva para Candida krusei. Qual a conduta mais adequada em relação a esses achados?
Compartilhar