Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Hepatologia

Médico residente sofreu acidente punctório ao realizar gasometria em paciente internado na emergência. Havia feito 3 doses da vacina contra hepatite B há 3 anos, mas nunca fizera teste para anti-HBs. Em razão do acidente, procurou atendimento imediato no serviço de medicina Ocupacional, onde realizou os seguintes exames: anti-HBS, anti-HBC Igm, HBS-Ag, anti-HIV e anti-HCV, todos negativos. Os resultados do paciente fora do acidente foram: teste rápido anti-HIV, HBS Ag, anti-HBS Igm e anti-HCV negativos e anti-HBS superior a 100 mUI/ml. Qual a conduta mais adequada?

A
Aplicar pelo menos mais uma dose da vacina contra hepatite B e realizar dosagem de anti-HBs para verificar a resposta imunológica.
B
Utilizar antirretrovirais como quimioprofilaxia pós-exposição, uma vez que o teste rápido não é confiável.
C
Utilizar imunoglobulina hiperimune contra hepatite B e verificar se o acidentado se tornou protegido.
D
Utilizar 0,06 ml/kg de peso de imunoglobulina hiperimune contra hepatite B, preferencialmente até 48 horas após a exposição.
E
Como a fonte não expôs o médico a risco, não há necessidade de adoção de qualquer medida.
Homem de 40 anos, arrítmico, sem outras comorbidades, chega ao pronto-socorro com história de dor súbita intensa e resfriamento em panturrilha esquerda há aproximadamente 4 horas. Nega história de claudicação intermitente prévia. Exame físico: membro inferior esquerdo pálido, com dor à palpação de panturrilha e sem pulsos femoral, poplíteo, tibial posterior e pedioso. No membro contralateral, todos os pulsos estão presentes e cheios. Assinale o diagnóstico e conduta.
Gestante, na 35ª semana, apresenta perda de líquido, por via vaginal, há uma hora, comprovada pelo exame físico. Não há sinais de corioamnionite. A conduta é:
Os pacientes abaixo serão submetidos a tratamento cirúrgico odontológico com risco de desenvolvimento de bacteremia: I. Menino de 5 anos de idade que foi submetido à ventriculosseptoplastia com retalho de pericárdio bovino há 4 meses. II. Menina de 10 anos de idade portadora de dupla lesão aórtica reumática leve. III. Menina de 5 anos de idade que foi submetida à ventriculosseptoplastia com retalho de percárdio bovino há 1 ano com uma pequena comunicação interventricular residual ao lado do retalho de pericárdio bovino. IV. Menina de 15 anos de idade portadora de prolapso do folheto posterior da válvula mitral com insuficiência mitral moderada. V. Menino de 2 anos de idade que foi submetido à cirurgia de Blalock-Taussig (shunt entre as artérias subclávia direita e pulmonar direita) há 8 meses devido a quadro clínico de Tetralogia de Fallot de má anatomia. Devem receber profilaxia para endocardite bacteriana os pacientes:
Um paciente com megaesôfago, com diâmetro radiológico inferior a 5 centímetros, foi submetido a tratamento por dilatação pneumática por 2 anos, ao fim dos quais se apresentava assintomático. Não compareceu mais às sessões de revisão e, 3 anos após a última consulta, retornou com queixas de disfagia, regurgitação e emagrecimento acentuado. O exame contrastado do esôfago mostrou dilatação esofagiana superior a 7 centímetros. O tratamento mais indicado para este paciente, no momento, é:
Compartilhar