Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Menino, 13 anos de idade, refere ganho de peso excessivo nos últimos 6 meses. Nega queixas respiratórias e urinárias. Dorme cedo e é “preguiçoso” para levantar de manhã. Evacua a cada dois dias, fezes marrons, endurecidas, ocasionalmente faz esforço para evacuar. Não toma café da manhã, não consome verduras e frutas, somente arroz e feijão em grande quantidade, carne (2 a 3 bifes médios) e dois copos de refrigerante no almoço e jantar; salgadinhos fritos no recreio da escola. Frequenta escola pela manhã, tendo rendimento escolar regular. Joga futebol por 40 minutos, duas vezes por semana, na aula de educação física. Mãe e pai têm peso proporcionado para altura. É filho único. Ao exame: bom estado geral, hidratado, tireoide palpável, de tamanho e consistência normais; exame do tórax sem alterações; panículo adiposo bem desenvolvido na região abdominal, sem outras alterações. Apresenta estrias esbranquiçadas no tórax, abdome e dorso. T. Axilar = 36,8°C; PA = 110 x 70 mmHg; estadiamento puberal de Tanner: P2 e G3. Encontra-se no percentil 97 para altura, pouco acima do limite superior do canal familiar (que se encontra entre os percentis 5 e 95) e acima do percentil 97 para peso; índice de massa corporal e prega cutânea tricipital acima do percentil 95. Os exames subsidiários MAIS indicados neste caso são:

A
dosagem de glicemia de jejum; colesterol e frações, triglicérides.
B
radiografia de mão e punho esquerdos; dosagem de glicemia de jejum; colesterol e frações, triglicérides.
C
radiografia de mão e punho esquerdos; avaliação da função tireoidiana; dosagem de glicemia de jejum; colesterol e frações, triglicérides e cortisol.
D
não solicitar exames nesta consulta.
É uma característica do líquor típico na neurotuberculose:
Estudos recentes têm recomendado evitar a oferta exagerada de fluidos intravenosos, tanto no intra quanto no pós-operatório de operações eletivas. Reposição hidroeletrolítica mais vigorosa pode reduzir a prevalência de complicações pós-operatórias em pacientes com:
Lactente de nove meses é levado à Unidade Básica de Saúde devido a um quadro de vômitos que se iniciou no dia anterior e de diarreia com seis evacuações líquidas hoje, juntamente com febre e inapetência no mesmo período. A mãe nega muco ou sangue nas fezes e refere que seu filho também está “gripado”. O médico ao consultar a Caderneta da Criança observa que somente foram realizadas as vacinas do primeiro mês, conforme a recomendação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério de Saúde (PNI/MS). No exame físico, o paciente encontra-se pálido, irritado, com sede, mucosas secas, olhos fundos, pulsos finos e elasticidade da pele diminuída, abdômen levemente distendido com ruídos hidroaéreos hipercinéticos, sem dor ou organomegalias à palpação enquanto que, o restante do exame, não mostra outras alterações. Baseado nessas informações, qual o provável agente etiológico do quadro acima e qual a conduta, de acordo com o Ministério da Saúde?
Mãe deu entrada na maternidade com quadro de descolamento placentário. Realizada cesárea de urgência. Recém-nascido a termo, banhado em mecônio espesso, Apgar 1 e 3, reanimado na sala de parto. Desenvolve, nas primeiras horas de vida, desconforto respiratório grave, cianose, pulsos débeis e convulsões. O quadro apresentado se deve principalmente à:
Compartilhar