Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Morgana, 15 anos, namora Roger, de 18 anos, há três anos. Há dois dias teve sua primeira relação sexual e procurou atendimento médico porque não quer engravidar. Relata menarca aos 13 anos, com ciclo menstrual regular. Na avaliação de Morgana você identifica que existe risco de gravidez após esta relação, considerando o período menstrual. No planejamento com estes adolescentes você recomenda, como método prioritário, o uso de:

A
diafragma.
B
espermicida.
C
preservativo.
D
anticoncepcional oral.
Paciente politraumatizado apresenta na avaliação primária taquicardia, sem hipotensão. Podemos afirmar que:
Dona Maria de Fátima, 33 anos, solteira, diarista, sabidamente asmática, procurou o acolhimento da Unidade de Saúde da Família sem alterações no estado geral e no estado mental, com dispneia moderada, taquipneica, presença de sibilos difusos, com frequência cardíaca igual a 120 bpm, não conseguindo falar frases completas. Qual a classificação da crise de asma de Dona Maria de Fátima?
Leia o caso clínico a seguir. Mulher de 28 anos de idade, casada, mãe de duas filhas, encaminhada ao psiquiatra pelo dermatologista após a terceira vez que compareceu ao consultório desse profissional. As consultas foram motivadas pelo aparecimento de lesões erosivas nos joelhos, que após exames inconclusivos ou negativos para as hipóteses diagnósticas aventadas e, mesmo após prescrição de cicatrizantes, estavam piorando. Na última consulta, pressionada pelo marido que a flagrara ajoelhando-se repetidamente em chão áspero, contou a seguinte história: ela, católica devota desde criança, três anos antes da consulta começou a ter a mente invadida por imagens em que se via tendo relações sexuais com esculturas de Cristo e dos santos existentes na igreja. Inicialmente, isso só acontecia pouco e só quando se encontrava na igreja. Aumentou gradativamente e, por fim, as imagens intrusas entravam em sua mente centenas de vezes ao dia, em qualquer lugar. A única coisa que lhe aliviava a culpa era pedir perdão a Deus, de joelhos, repetidamente. Já não conseguia mais cumprir sua agenda doméstica, tantas eram as interrupções. Escondeu o problema das pessoas, de medo que a julgassem louca. Ajoelhava-se tanto nos últimos meses, que feriu os joelhos, o que chamou a atenção do marido, que a levou ao dermatologista. O quadro clínico descrito preenche os critérios para:
Graça, 25 anos, gesta IV/III, todos os partos normais, com idade gestacional de 38 semanas, dá entrada na maternidade em período expulsivo, feto em apresentação pélvica, com BCF positivo. A obstetra inicia a realização do parto normal com a saída de cintura pélvica, cintura escapular e braços. Neste momento ocorre dificuldade na extração do pólo cefálico após a realização da Manobra de Mauriceau. Neste momento a obstetra solicita à enfermeira que traga o fórcipe de:
Compartilhar