Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Mulher, 30 anos de idade, G3P2A0, com 40 semanas de gestação, progrediu no trabalho de parto de 6 cm para 7 cm de dilatação cervical em 2 horas. Ao toque: ODP em plano 0 de DeLee, que persiste desde o início do trabalho de parto. Dos seguintes episódios, o que melhor descreve o partograma dessa paciente é:

A
fase latente prolongada
B
fase ativa acelerada
C
parada de fase ativa
D
fase ativa protraída
E
trabalho de parto normal
Na classificação de Fontaine relativa à doença arterial obstrutiva periférica (DAOP), a claudicação intermitente moderada classifica-se como
Paciente 73 anos, hipertensa leve, previamente hígida, foi admitida na emergência com quadro de febre, vômitos e dor abdominal a 36h, localizada no momento na fossa ilíaca direita e hipogástrio. Sinal de Duphy postivo e Rovsing negativo. T.C revelou sinais de espessamento da região ileocecal com coleção de 3cm e distensão do íleo terminal aderido ao ceco. Qual o diagnóstico e conduta ?
Menino de três anos é trazido pelos pais ao urologista com quadro de hematúria macroscópica indolor e sem coágulos há dois meses. O menino não apresenta comorbidades. O exame físico revela-se normal, estando a criança em bom estado geral, corada, e com discreta dor a palpação do flanco e hipocôndrio direitos. A tomografia computadorizada com contraste intravenoso revelou rim direito normal e massa renal a esquerda, de 8 cm, preservando o polo inferior, chegando quase até a linha média, heterogênea. A principal hipótese diagnóstica e o tratamento mais indicado são:
Menino de 15 anos apresenta hipertensão arterial (aferida no membro superior direito), diminuição da amplitude dos pulsos femorais e dificuldade de palpar os pulsos tibiais anteriores e posteriores. Mantém saturação arterial acima de 95% nos membros superiores e inferiores, sem diferença significativa entre eles. Raio x de tórax: presença do sinal de Röesler (desgaste das bordas inferiores das costelas). O adolescente é portador de
Compartilhar