Questões na prática

Clínica Médica

Neurologia

Mulher, 55 anos de idade, previamente hígida, vem com cefaleia holocraniana em peso há 3 dias. Há 12 horas começou a apresentar parestesia em hemiface à esquerda, cursando com desvio de comissura labial para a direita e apagamento do sulco nasolabial. Nega alteração de força muscular em membros. Não consegue franzir a testa nem fechar a rima palpebral à esquerda; sem outros déficits motores. A melhor conduta, no caso, é:

A
realizar tomografia computadorizada de crânio
B
realizar ressonância magnética de crânio
C
realizar exame de liquor
D
iniciar fisioterapia ambulatorial e antiviral oral
E
internar par acompanhamento e exame de imagem após 48 horas
Paciente idoso, dependente de familiares para ingestão de água e alimentos, é trazido para realização de desbridamento na região do pé, foram solicitados exames pré-operatórios e constatado sódio sérico de 172 mEq/L, a correção rápida deste íon pode resultar em:
Pré-escolar, 5 anos, chega ao pronto-socorro com história de febre e diarreia há 48 horas. Ao exame físico apresenta-se irritado, olhos fundos e com enchimento capilar lentificado (4 segundos). Segundo o Manual de Assistência e Controle das Doenças Diarreicas (Ministério da Saúde/Brasil), a conduta adequada neste caso é:
Empiema, derrame pleural parenquimatoso, pneumatoceles e insuficiência respiratória são complicações frequentes em qual quadro de pneumonia?
O Staphylococcus aureus pode produzir patologias através de uma toxina ou pela invasão tecidual direita. Uma doença desencadeada por uma toxina estafilcóccica é a:
Compartilhar