Questões na prática

Clínica Médica

Hepatologia

Mulher, 42 anos de idade, apresenta intolerância a alimentos gordurosos. Não relata episódios prévios de icterícia ou dor abdominal. O exame ultrassonográfico do abdome demonstrou o diagnóstico de colecistopatia crônica calculosa. Com relação ao caso descrito é correto afirmar:

A
A ocorrência de colecistite aguda nesta doente é rara, pois a mesma tem mais de 40 anos.
B
Na colecistectomia é importante que se faça a abertura da via biliar principal para se excluir a presença de coledocolitíase.
C
Essa doente poderá ser tratada com ácido ursodeoxicólico, que permite a dissolução dos cálculos de vesícula, em curto período de tempo, baixo custo e baixo e baixo índice de recidiva.
D
Tem indicação de colecistectomia por via de acesso vídeo-laparoscópica pelo risco de complicações da litíase vesicular.
E
A melhor conduta é a colecistectomia através de incisão sub-costal.
Acerca da avaliação e do tratamento de pacientes politraumatizados, julgue os itens subsequentes. Os sinais mais precoces de síndrome compartimental são o deficit motor e o desaparecimento do pulso distal.
A.M.B., 6 anos, foi internado na emergência pediátrica por estado de mal asmático. Qual, entre os dados abaixo, é o mais importante preditor de desenvolvimento de estafa respiratória e de necessidade de ventilação mecânica?
Paciente masculino, de 51 anos apresenta-se ao pronto-socorro relatando um episódio de hematêmese há 2 horas, com aproximadamente 200 ml de volume. Nega melena. Nega doença péptica ou uso de anti-inflamatórios não esteroides. Nega etilismo. Ao exame clínico apresenta-se consciente, com pressão arterial 110/68 mmHg, pulso 115 bpm, frequência respiratória 18 mrm, hipocorado, sem sinais de irritação peritoneal. A respeito do caso apresentado assinale a alternativa CORRETA:
Ao recepcionar em sala de parto um RN prematuro de 35 semanas e realizar os primeiros passos, o neonatologista observa, neste RN, uma respiração irregular e FC de 50 bpm. Qual a conduta a ser tomada?
Compartilhar