Questões na prática

Cirurgia

Dermatologia

Oftalmologia

Mulher, 48 anos, consulta com queixa de dor moderada no olho direito, de início súbito, fotofobia, visão borrada e hiperemia conjuntival. Nega secreção ocular ou episódio de trauma recente. Ao exame com pupila miótica, apresenta pouca resposta do reflexo pupilar. Percebem-se, também, lesões descamativas no couro cabeludo e cotovelos. A principal hipótese diagnóstica é:

A
Conjuntivite aguda.
B
Glaucoma agudo.
C
Pterígio.
D
Ceratite fúngica.
E
Uveíte aguda.
Uma paciente de 32 anos queixa-se de ansiedade, tremores, palpitações e dor na região cervical. Segundo informa, o quadro iniciou-se duas semanas após um episódio compatível com uma virose respiratória. Ao exame físico, a paciente apresenta-se taquicárdica, com mãos quentes e úmidas, além de sentir dor à palpação da tireoide seus exames revelam um TSH ultrassensível suprimido ( < 0,003 UI) e dosagens de T3 e T4 muito elevadas. A velocidade de hemossedimentação é muito elevada ( 100 mm primeira hora). A captação de iodo radioativo revela-se muito reduzida, e a dosagem de tireoglobulina sérica é elevada. Qual é o diagnóstico que se impõe como correto?
O diagnóstico mais provável em uma paciente com hipertensão arterial, hipocalemia, masculinização. Apresentando ao USG massa de sete centímetros em suprarrenal.
Lactente com 10 meses, choro, febre e hiperemia com opacificação e abaulamento das membranas timpânicas bilaterais. Primeiro episodio de OMA. Qual a melhor conduta?
Índice de mallampati estratifica a dificuldade da entubação traqueal, sua classificação está relacionada com:
Compartilhar