Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Mulher, 32 anos de idade, G3P2A1, portadora de dismenorreia e HAS controlada com medicação, procura a unidade básica de saúde para prescrição de método contraceptivo. O exame ginecológico é normal. De acordo com os critérios de elegibilidade da Organização Mundial de Saúde - OMS (2009), assinale a opção que apresenta apenas métodos contraceptivos categoria 1 e/ou 2 para esta paciente:

A
pílula de progestagênio isolado e dispositivo intrauterino medicado com cobre.
B
adesivo e implante.
C
pílula combinada e sistema intrauterino liberador de levonorgestrel.
D
injetável mensal e dispositivo intrauterino medicado com cobre.
Escolar de nove anos é levado ao atendimento médico por apresentar há três semanas, dor em garganta, febre alta e prostração, tendo sido tratado apenas com antitérmicos. Há uma semana, existe um quadro de artrite de caráter migratório, acometendo tornozelos, joelhos, punhos e cotovelos. Exames laboratoriais indicam: leucocitose, VSH:50mm, ASO 1250 U todd. Nesse caso, o provável diagnóstico é:
Na avaliação inicial de um paciente politraumatizado que apresente trauma cranioencefálico maior, os fatores de maior relevância para o prognóstico são:
Em relação à cirurgia videolaparoscópica, é correto afirmar:
Uma adolescente de 15 anos apresenta episódios intermitentes de cefaleia há três anos. A dor é hemicrania, ora direita ora esquerda, tipo latejante, de moderada a forte intensidade, associada à náuseas, vômitos, fonofobia e fotofobia. Precedendo as crises, ela refere parestesias em face e mãos, associadas à escotomas cintilantes. As crises duram em média cinco horas e melhoram com uso de paracetamol. O exame neurológico é normal. As crises ocorrem duas vezes por mês, próximo ao período de provas escolares. O diagnóstico, nesse caso, é:
Compartilhar