Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Neurologia

Mulher, 75 anos de idade, com doença de Alzheimer, em ambiente asilar, com incontinência esfincteriana prévia, vem há dois dias com agitação psicomotora intercalada por períodos de sonolência. Não teve diarreia e a temperatura medida pela cuidadora foi de 37,8°C. Ao exame físico, apresenta- se sem rigidez nucal, sem sinais de localização, PR: 108 bpm, FR: 21 ipm, ausculta cardiorrespiratória evidenciando discretos crépitos inspiratórios e expiratórios em base, sem variação com a tosse. Abdome flácido, indolor. A investigação deve começar por:

A
tomografia computadorizada de crânio.
B
Rx de tórax em PA e perfil, gram e ziehl do escarro.
C
ecocardiograma bidimensional.
D
sumário de urina e uroculturas.
E
punção liquórica.
Um recém-nascido a termo, com peso de nascimento de 2900 g, está em aleitamento materno exclusivo, no alojamento conjunto, aguardando a alta materna. No 3º dia de vida, seu peso é de 2600 g e apresenta icterícia até Zona IV de Kramer. O grupo sanguíneo do recém-nascido é O Rh negativo e a bilirrubina total é 17,0 mg/dl. A conduta mais adequada é:
Adolescente com quadro de febre, odinofagia e exsudato em orofaringe. Foi ao posto e então medicado com amoxicilina. Posteriormente, evoluiu com exantema maculopapular disseminado com persistência da febre. O sinal que mais auxilia na confirmação do diagnóstico clínico mais provável é:
Um menino de 4 meses de vida é internado em enfermaria de pediatria com diagnóstico de bronquiolite. Dos abaixo citados, o agente mais comum desta doença é:
A propedêutica pulmonar em um quadro de pneumonia, na faixa etária de pré-adolescente, pode incluir a pecterilóquia, que é definida como:
Compartilhar