Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Cardiologia

Nefrologia

Mulher branca, de 27 anos de idade, relata ser portadora de hipertensão arterial de difícil controle há mais ou menos 4 anos. A pedido médico, realizou os seguintes exames: Hb = 12,8 g/dl; creatinina = 1,2 mg/dl; K+ = 3,1 mEq/L; EAS normal; ECG = ritmo sinusal com HVE; ultrassom de aparelho urinário revelando RD de morfologia e ecogenicidade normais, com 9,2 cm de diâmetro longitudinal e RE também de morfologia e ecogenicidade normais, com 12,1 cm de diâmetro longitudinal. Frente ao caso apresentado, podemos concluir que:

A
trata-se de portadora de hipertensão arterial essencial.
B
não há dados na história clínica ou nos exames complementares que possam sugerir hiperaldosteronismo.
C
betabloqueadores estão formalmente contraindicados nesta paciente.
D
uma angiorressonância ou uma arteriografia renal deveria ser o passo seguinte na elucidação diagnóstica desta paciente.
Gestante de 28 anos, com infecção assintomática pelo HIV, virgem de terapia antirretroviral (TARV), comparece ao pré-natal na 10ª semana com contagem de linfócitos T CD4 de 300 células/mm³ e carga viral plasmática do HIV (CV) de 13.722 cópias/ml. A introdução da TARV deve ser:
Paciente sexo masculino, com 21 anos de idade, deu entrada no pronto-socorro após acidente automobilístico, apresentando pressão arterial 120 X 80 mmHg, pulso de 80 bpm. Diagnosticada fratura da bacia, uretrorragia e hematoma perineal, sem outras lesões. A uretocistografia revelou lesão completa de uretra membranosa. Qual a melhor conduta?
A maioria dos incidentalomas adrenais são:
Uma mulher de 62 anos desenvolve hemiparesia esquerda que evolui em pouco tempo para hemiplegia densa. RNM indica lesão expansiva que biópsia estereotáxica demonstra tratar-se de astrocitoma anaplásico. Assinale a opção ERRADA.
Compartilhar