Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Mulher de 20 anos com história de amenorreia de 7 semanas, bHCG 400 m UI na 5ª semana, deu entrada na maternidade do HUGG com quadro de perda sanguinea vaginal de pequena monta associada a dor em baixo ventre. Foi solicitado ultrassom transvaginal que mostrou endométrio espesso com cerca de 12 mm associado a presença de material amorfo em anexo direito com cerca de 20 mm apresentando intenso fluxo sanguineo ao Doppler. Na internação o bHCG sanguineo foi 300 m UI. Seu diagnóstico provável e conduta mais apropriada:

A
Abortamento retido/ AMIU.
B
Prenhez ectópica/ Laparotomia.
C
Prenhez ectópica/ Metrotexate.
D
Abortamento retido/ curetagem uterina.
E
Doença trofoblástica/ AMIU.
Paciente encaminhado da unidade básica de saúde para oftalmologista, com quadro de conjuntivite há 3 dias e com piora da hiperemia ocular após uso de corticoide tópico. Ao exame oftalmológico: blefaroconjuntivite folicular unilateral e lesão com padrão dendrítico de ulceração do epitélio da córnea, após coloração com colírio de fluoresceína. Assinale a alternativa que apresenta, CORRETAMENTE, o agente mais provável:
Por que os profissionais de saúde avaliam o desenvolvimento motor dos bebês durante exames rotineiros de puericultura?
O diagnóstico de choque séptico é feito em um paciente com sepse quando:
Considerando que um homem de 50 anos de idade procure o setor de emergência de um hospital com queixas de dor abdominal, vômitos e distensão abdominal associados à parada de eliminação de fezes e flatos, julgue o próximo item. Caso o paciente seja de zona endêmica para doença de Chagas, o megacólon com volvo deve ser considerado, e o exame diagnóstico principal a ser utilizado será o clister opaco.
Compartilhar