Questões na prática

Clínica Médica

Reumatologia

Mulher de 56 anos, queixa-se de dor e inchaço articular há 4 anos, acometendo joelhos, interfalangeanas proximais e metacarpofalangeanas bilateralmente. A dor inicia-se pela manhã, dificultando as atividades diárias, e tem duração de 2 horas. Há 2 meses apresenta falta de ar, indisposição e perda de peso de 5 kg. Exame físico: regular estado geral, afebril, pálida; espessamento e sinais inflamatórios nas articulações metacarpofalangeanas. Exames laboratoriais: hemoglobina 10,0 g/dl, hematócrito 32%, Fator Antinúcleo (FAN) 1:80 e Proteína C Reativa (PCR) 25 mg/L. O diagnóstico mais provável é:

A
Lúpus eritematoso sistêmico.
B
Doença de Still.
C
Artrite reativa.
D
Artrite reumatoide.
E
Osteoartrite.
Sobre o uso de FAST (Focused Assessment Sonography in Trauma) podemos confirmar as afirmativas exceto:
Em relação ao Tromboembolismo no ciclo gravídico puerperal:
Em relação ao leiomioma uterino:
MCR, freira de 72 anos, branca, asmática com história de uso crônico e intermitente de corticoides, hipertensa em uso de enalapril e hidroclortiazida, com Índice de Massa Corporal (IMC) de 19 Kg/m², sedentária, nuligesta, menopausa aos 46 anos e que nunca fez terapia de Reposição Hormonal. MCR foi submetida a exame de densilometria óssea com os seguintes resultados: ¾ Densidade Mineral Óssea (DMO) de L1-L4 de menos 3,7 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para adultos jovens e menos 2,9 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para a mesma idade, peso e sexo. 3/4 DMO de colo femoral de menos 1,4 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para adultos jovens e menos 1,0 desvios-padrão em relação à curva de massa óssea ajustada para a mesma idade, peso e sexo. Quanto ao diagnóstico densitométrico, pode-se afirmar que a paciente tem:
Compartilhar