Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Mulher de 62 anos, assintomática, apresenta pesquisa de sangue oculto nas fezes positiva em exame de rotina. Endoscopia digestiva alta mostra uma lesão ulcerada de 2 cm no antro gástrico junto à pequena curvatura. Biópsia revela tratar-se de um adenocarcinoma. Tomografia de tórax e abdômen não demonstram metástases à distância. Escolha qual a melhor opção terapêutica para essa paciente.

Com relação ao acesso vascular para nutrição parenteral, assinale a alternativa INCORRETA.
Paciente com 10 anos chega à consulta de puericultura em uma nova UBS. Ao exame físico, nota-se uma face achatada, braquicefalia, mãos pequenas e dedos curtos, com prega palmar única, baixa estatura, hipotonia e retardo mental. Diante dessa síndrome clínica, constata-se que esse paciente apresenta uma elevada predisposição à neoplasia:
Lucas, 7 meses, não está mais sendo amamentado, pois sua mãe Nicole mudou-se para São Paulo, deixando o bebê sob os cuidados da avó. Lucas nasceu de parto normal, com 35 semanas de gestação, pesando 2.300 gramas. Vivem em casa própria (de material aproveitado) no Pirambu (bairro da periferia de Fortaleza), a avó, 2 filhas solteiras, Lucas e mais 3 crianças de 2, 3 e 5 anos. A renda mensal da família é de R$ 150,00 reais que uma das filhas recebe como “flanelinha”. Considerando a idade de Lucas e as condições familiares, qual o esquema alimentar mais eficaz para o adequado crescimento e desenvolvimento de Lucas:
A abertura inadvertida da cisterna de Pecquet (chyli) acarreta na temida ascite quilosa. O procedimento cirúrgico que possui maior risco de ter essa complicação é a:
Compartilhar