Questões na prática

Psiquiatria

Mulher de 78 anos, aposentada como professora de ensino médio, portadora de doença arterial coronariana, diabetes e insuficiência renal crônica, é submetida a uma avaliação geriátrica ampla, face a crescente necessidade de ajuda para realizar atividades do dia-a-dia, como fazer compras, cuidar das finanças e da casa, por exemplo. Desde que teve uma acidente vascular cerebral há dois anos, se movimenta com a ajuda de um andador. Atualmente faz uso de aspirina, nitrato, diltiagem, forosemida, enalauril e glipizida. No Mini- Exame do Estado Mental (MEEM), apresentou escore de 23/30. Vive só desde que o marido morreu há 1 ano e conta com a ajuda da sobrinha, que tem uma loja próxima, para conseguir comprar mantimentos, pagar contas, limpar o apartamento e ir ao médico quando necessário. Qual o dado apresentado que deve ser considerado como maior fator de risco para mortalidade, independente de outros, nesse caso?

A
O fato de viver só.
B
Polimorbilidade crônica.
C
História pregressa de acidente vascular cerebral.
D
Uso regular de mais cinco medicamentos.
E
Declínio cognitivo com perda da independência na vida diária.
A insuficiência venosa crônica é uma das afecções mais prevalentes no mundo. A estratificação do grau da doença é importante para a orientação do tratamento. A classificação mais difundida e recomendada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Vascular é a CEAP (clínica, etiológica, anatômica, fisiopatológica). Segundo esta classificação, uma mulher portadora de telangiectasias, veias varicosas e edema é classificada:
Paciente feminina, 25 anos, apresenta diagnóstico de doença de Crohn há cerca de 1 ano, com uso de mesalazina 2 g/dia. Em qual destas situações abaixo o acompanhamento clínico desta paciente pode ser efetivo e seguro?
Dentre as situações citadas abaixo, a principal causa de abdome obstrutivo em lactente é:
Qual dos achados abaixo não sugere vertigem periférica?
Compartilhar