Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Pneumologia

Mulher de 85 anos, hipertensa, com fibrilação atrial (FA) permanente, recentemente internada por insuficiência cardíaca. Com relação à FA, a conduta DEVE SER:

A
Não anticoagular por causa da idade avançada.
B
Controlar a freqüência cardíaca (FC) e anticoagular, mantendo RNI em 1,5 e 1,8.
C
Controlar a FC e prescrever AAS 100mg ao dia.
D
Controlar a FC e anticoagular, mantendo RNI entre 2 e 3, pois apresenta 3 fatores de risco intermediários para tromboembolismo.
E
Nenhuma das alternativas acima (A, B, C ou D) está correta.
Um recém-nascido de termo, com peso de nascimento de 3.240 g, filho de pais consanguíneos, com pré-natal sem intercorrências, com sorologias negativas para HIV e sífilis, mas sem pesquisa de estreptococo do grupo B, nasce de parto vaginal, após 3 horas de rotura de membranas, com Apgar de 9 e 10 no primeiro e no quinto minutos de vida e é encaminhado ao alojamento conjunto. Evoluía bem quando, com 20 horas de vida, apresentou taquipneia e alteração de perfusão periférica. Realizados exames, o bicarbonato foi de 14, com CO2 baixo e pH 7,3. São hipóteses a serem consideradas:
Um menino de 5 anos apresenta dificuldade para andar, enrijecimento do quadril à direta e vem mancando há 2 meses. Queixa-se de dor muito leve no local. O diagnóstico mais provável é:
Qual procedimento é o mais usado como "screening" de demências no idoso?
Qual o nervo que pode ser lesado na fratura diafisária distal do úmero?
Compartilhar