Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Mulher sexagenária queixa-se de “bola” na vagina e “urina solta”. Relata que perde urina quando faz força, tem que ir “correndo” ao banheiro quando tem vontade de urinar e, às vezes, não consegue segurar o desejo miccional. Urina “toda hora” e acorda várias vezes durante a noite para esvaziar a bexiga. São afirmativas adequadas ao caso, exceto:

A
Tem provável distopia genital.
B
Quadro compatível com incontinência urinária mista.
C
Tem indicação de estudo urodinâmico.
D
O tratamento cirúrgico independe do resultado urodinâmico devido à provável distopia.
E
O tratamento clínico deverá fazer parte da abordagem terapêutica.
Mulher de 55 anos, diabética há 20 anos, consultou nefrologista com queixas de disúria, polaciúria e noctúria. Referiu que desde a menopausa, aos 48 anos, vem apresentando 3 a 4 episódios semelhantes a cada ano. Os germes isolados nessas ocasiões foram Escherichia coli, Proteus SP e Enterobacter sp. Relatou também episódios intermitentes, nos últimos meses, de náuseas, vômitos, dificuldade de esvaziar a bexiga e diarreia (principalmente à noite). Este caso pode ser classificado, segundo o tipo de infecção urinária, como:
São causas de hepatoesplenomegalia:
Paciente na 29ª semana de gestação é admitida com diagnóstico de dor abdominal aguda intensa. Ao exame a paciente encontrava-se hipertensa, com hipertonia uterina e taquicardia fetal. O médico observou que a toque a dilatação cervical encontrava-se em 3 cm e realizou amniotomia com saída de líquido amniótico sanguinolento. Em relação a amniotomia pode-se dizer que a conduta foi:
Paciente com diagnóstico de Lúpus eritematoso sistêmico, na 29ª semana de gestação ao realizar ecocardiografia fetal, recebe o diagnóstico de bloqueio atrioventricular fetal. Os anticorpos geralmente associados a essa complicação são os mesmos associados a:
Compartilhar