Questões na prática

Pediatria

Neonatologia

Nara, 16 anos, traz sua filha de 1 mês e 10 dias, Luiza, à Emergência às 6:30h da manhã, com convulsões tonicoclônicas generalizadas que se iniciaram há, aproximadamente, 30 minutos. A criança começou a “se debater” após a última mamada, aproximadamente às 23h do dia anterior e apresentou várias crises semelhantes durante a madrugada. Exame físico: peso 3560 g, FC 136 bpm, FR 48 irpm. Lactente com crise convulsiva tonicoclônica generalizada, acrocianose (++/4+), hipocorada (+/4+), hidratada, anictérica, fontanela anterior plana, normotensa, crânio sem alterações, isocoria e fotorreagência bilateral; ritmo cardíaco regular, boa perfusão capilar periférica, pulmões bem ventilados, roncos esparsos; quatro lesões equimóticas e acastanhadas, arredondadas, em região lombar paravertebral; abdome plano normotenso, fígado a 1 cm do RCD, baço impalpável; genitália compatível com sexo e idade, sem alterações. Luiza nasceu de parto cesáreo por bolsa rota prolongada, APGAR 9/9, PN 2860 g, CN 49 cm e evoluiu sem intercorrências. Nara reside com seu parceiro atual, que não é o pai da criança; tem dúvidas quanto à necessidade de usar complemento ao aleitamento materno porque Luiza chora muito, todos os dias, principalmente nos finais das tardes. Diante da situação, é correto afirmar que se trata de um caso suspeito de:

A
infecção congênita
B
intoxicação exógena
C
maus-tratos
D
cardiopatia congênita
Os agentes mais frequentemente relacionados às meningites virais e encefalites virais são respectivamente:
Recém-nascido a termo, sem fator de risco identificado à anamnese perinatal, nasceu hipoativo, com hiporreflexia e frequência cardíaca de 120 bpm. Sem sinais de cianose central, apresentava-se, porém, em apneia. O índice de APGAR foi 5 no primeiro minuto. Inicialmente, foi feita estimulação tátil, enquanto a boca e as narinas eram aspiradas. Em seguida, procedeu-se a ventilação com pressão positiva e oxigênio no sistema de balão autoinflável e máscara. Após 30 segundos, a criança continuava sem resposta, mantendo-se com boa frequência cardíaca e rosada. A ventilação foi mantida por mais 30 segundos, porém a apneia persistia, e houve queda da frequência cardíaca (90 bpm). A mãe recebera mepivacaína e fentanil na anestesia peridural. Com base nestes dados, a conduta mais adequada é administrar, por via intravenosa:
Recém-nascido com 15 dias de vida, com peso ao nascimento de 3.800 g e peso atual de 4.350 g, foi trazido ao ambulatório por apresentar coloração alaranjada da pele que atingiu face, tronco, abdômen e raiz dos membros. A mãe informou que a criança vinha sendo amamentada, exclusivamente, ao peito e que tanto ela como o filho eram O+. O valor obtido no bilicheck transcutâneo foi 13, razão pela qual encaminhou-se o paciente para internação no hospital. Os exames laboratoriais mostraram bilirrubina total de 19 mg% e hemoglobina de 16 g%. Qual o tipo de fototerapia mais adequado para o tratamento deste recém-nascido?
Adolescente, portadora de síndrome nefrótica resistente a tratamento com corticosteroide e ciclosporina, desenvolveu insuficiência renal crônica. Foi submetida a transplante renal e, imediatamente após, apresentou proteinúria maciça e edema generalizado. Qual o diagnóstico mais provável?
Compartilhar