Questões na prática

Clínica Médica

Hematologia

Reumatologia

Nilmar, 55 anos, tem dor lombar de média intensidade. Progrediu com limitação dos movimentos de membros inferiores, há 6 meses. Foi tratado inicialmente com fisioterapia, acupuntura e anti-inflamatórios com melhora discreta. Queda de bicicleta há 1 mês e a radiografia mostra fratura, com lesão lítica em úmero esquerdo. Na radiografia da coluna lombar observa-se fratura com achatamento de L2 e L3. Exame físico: palidez cutaneomucosa 2+/4, anictérico, ausência de petéquias e equimoses; RCR 2T; ap. respiratório sem alterações. Sem edemas em membros inferiores. Exames complementares: Hemácias 2.950.000/mm3, hemoglobina 8.1 g/dl, hemátocrito 26% VGM 88 fL, Leucócitos 6400/mm3 com contagem diferencial normal e plaquetas 180.000/mm3. VHS 90 mm na primeira hora. Ureia 125 mg/dl, creatinina 4,8 mg/dL, albumina 2.8 g/dL, globulina 6,0 g/Dl. Proteinúria 2 g em 24 horas. O diagnóstico mais provável é:

A
mieloma múltiplo
B
adenocarcinoma de próstata
C
granulomatose de Wegener
D
amiloidose renal
E
doença de Paget
Criança de 1 ano e 10 meses procurou a emergência pediátrica por quadro de febre, coriza, tosse e sibilância (4º episódio) iniciado há 18 horas. Mostrava-se ativa, a despeito da dispneia/sibilância. Com exceção das alterações relacionadas ao aparelho respiratório, o resto do exame físico era normal. Durante a permanência no hospital, apresentou crise epiléptica generalizada, em vigência de febre (38 °C), com duração aproximada de 5 minutos, sem recorrência ou intercorrências até o momento da alta após 36 horas do internamento pelo quadro respiratório. A mãe informou que foi a primeira crise e que a criança era saudável. Negou história familiar semelhante. Em relação ao caso acima, qual a afirmação CORRETA?
Sobre criptorquidia, assinale a alternativa correta.
Milton, 1 mês e 25 dias de idade, apresenta, há 24 horas, leve coriza hialina, tosse discreta, fezes líquidas amareladas (cerca de sete evacuações), febre alta que cede com paracetamol e reaparece algumas horas depois. Hoje teve várias "crises" de choro forte e está "um pouco diferente". Recebe leite materno e fórmula láctea industrializada desde 28 dias de idade. Exame físico: peso 4.900g, T.ax 39,1°C, FC 144 bpm, FR 40 irpm; alterna períodos de choro intenso com apatia, irritável ao manuseio, hipertonia muscular difusa, fontanela plana levemente deprimida, elasticidade cutânea e turgor discretamente reduzidos, ausência de lágrimas, sede exacerbada, pulsos amplos e acelerados, extremidades acianóticas; ausculta cardio-pulmonar, abdome e membros inferiores sem alterações. As duas principais hipóteses diagnósticas são:
Um pediatra de plantão em um hospital geral recebe um chamado do centro cirúrgico para recepcionar uma criança que está por nascer. Ao chegar à sala de parto, questiona o obstetra e a mãe por mais informações e evidência que a gestação é a termo, de aproximadamente 39 semanas que o feto é único, que a mãe não tem morbidades e que o trabalho de parto iniciou-se há 6 horas. A mãe relata, entretanto, que na última semana ela sentiu o bebê mexer menos. Relata, ainda, que nas últimas 8 horas ela não sentiu mais movimentação fetal. O trabalho de parto progride e, no momento do nascimento, notam-se duas circulares de cordão justas. O obstetra desfaz as circulares, clampeia e corta o cordão e lhe passa o recém-nascido. O líquido amniótico é claro e com grumos. O pediatra vê um bebê pálido e cianótico, sem chorar e hipotônico; leva-o até o berço de reanimação e checa, através de palpação da base do cordão umbilical, que a frequência cardíaca está em 56 bpm. Assinale a alternativa que apresenta a sequência inicial de manobras para reanimar a criança.
Compartilhar