Questões na prática

Pediatria

Otorrinolaringologia

No ambulatório de ORL, um paciente apresenta febre elevada de 39°C, dor de garganta e odinofagia. A oroscopia mostra intensa hiperemia e congestão da mucosa faríngea, de coloração vermelho vinhosa, e a presença de pseudomembranas que comprometem por contiguidade os pilares anteriores. O diagnóstico mais provável é de Angina:

A
difteroide.
B
gangrenosa.
C
eritematosa.
D
eritematopultácea.
Mulher de 52 anos de idade, obesa, multípara, tem diagnóstico prévio de cálculo biliar. Dá entrada em pronto-socorro com dor abdominal em região epigástrica, náuseas e vômitos. A dosagem de amilase sérica está elevada em quatro vezes o valor normal. No momento da admissão, apresenta os seguintes critérios de Ranson, que apontam para um pior prognóstico, exceto.
A cardiopatia congênita mais frequentemente associada à Síndrome de Down:
São indicações gerais de suporte nutricional, EXCETO:
Paciente do sexo feminino, 45 anos, 60Kg, submetida a colecistectomia e anastomose biliodigestiva, sob anestesia geral para tratamento de colecistolitíase e grande dilatação coledociana. No pós-operatório imediato, a paciente permaneceu em jejum, recebeu cerca de 2.100mL de soros e apresentou diurese de 1.000mL. Não ocorreram, nesse período, perdas hídricas adicionais. Em relação à hidratação venosa pós-operatória no 1º dia pós-operatório (DPO) podemos afirmar, EXCETO:
Compartilhar