Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

O diagnóstico de pré-eclâmpsia deve ser suspeitado quando encontramos hipertensão arterial materna e proteinúria, associados ou não a edema generalizado. Caracteriza pré-eclâmpsia grave quando:

A
PA > 160 x 110mmHg e proteinúria > 5g/24h
B
PA entre 140 x 100mmHg a 160 x 110mmHg e proteinúria > 5 g/24h
C
PA > 180mmHg e proteinúria > 10 g/24h
D
PA > 160mmHg e proteinúria entre 2 e 5 g/24h
E
PA > 160mmHg e presença de convulsão
Uma menina de 11 meses é internada numa unidade pediátrica com história de diarreia que teve início há três dias, com várias evacuações líquidas e volumosas por dia e com sinais de desidratação grave. A mãe relata febre baixa há um dia. Mas nega vômitos. Após a reposição volêmica inicial são colhidos os seguintes exames: Na = 129 mEq/L; K = 3,5 mEq/L; Ca = 9,4 mg% e Na fecal de 120 mEq/L. Com base nos dados acima, trata-se de diarreia, provavelmente:
Em uma fratura da pelve tipo “livro aberto”, com instabilidade hemodinâmica aguda na urgência, qual a melhor conduta a ser tomada:
Gestante de 30 anos procura o pré-natal de alto risco devido a abortos de repetição. Idade gestacional de cinco semanas. Gesta=VI; Para=I; Aborto=IV. Refere que o seu único parto foi prematuro devido à pré-eclampsia e que, durante aquela gestação, apresentou oligodramnia. Seus abortos foram todos espontâneos em torno da 8ª semana de gestação. Possui passado de trombose venosa profunda. Com base na história obstétrica e patológica pregressa podemos afirmar que:
Nódulo tireoidiano que apresenta crescimento súbito, doloroso em poucos dias, deve ser considerado como:
Compartilhar