Questões na prática

Pediatria

Preventiva

Cardiopediatria

O diagnóstico definitivo da influenza pelo vírus H1N1 pode ser feito pelos métodos de biologia molecular (PCR) com maior precisão. Ensaios de detecção antigênica (Elisa e imunofluorescência) diferenciam entre influenza A e B somente. Um teste positivo para influenza A não diferencia influenza sazonal (H3 ou H1) da infecção pela influenza H1N1. A sensibilidade do ensaio de detecção antigênica para detectar influenza H1N1 não é ainda conhecida. Testes comerciais rápidos de detecção antigênica que usam swabs de garganta ou nariz estão disponíveis e podem fornecer um resultado em 15-30 minutos. O teste rápido geralmente tem uma sensibilidade de 60 a 80% comparado com a cultura do vírus. Assim, um teste negativo não exclui influenza. A sensibilidade desses testes sugere que o teste rápido é menos útil onde a probabilidade pré-teste é alta (isto é, durante a fase de transmissão sustentada de uma pandemia estabelecida). Com base na informação acima, é INCORRETO afirmar:

A
Em épocas não epidêmicas (com baixa circulação do vírus da influenza), o valor preditivo negativo do teste rápido será mais alto.
B
Em épocas epidêmicas, o valor preditivo positivo do teste rápido será mais alto.
C
Os testes baseados em métodos de biologia molecular (PCR) são mais específicos que o teste rápido.
D
Em épocas epidêmicas (de maior circulação do vírus da influenza), não se terá tanta certeza em caso de exames negativos de não se tratar de infecção pelo vírus da influenza, pois 20 a 40% dos casos de influenza serão falsos negativos.
E
A utilização do teste rápido permite dizer que 60 a 80% dos casos com testes positivos são efetivamente de influenza.
Em relação ao politraumatizado, é incorreto afirmar que:
A forma mais adequada para diagnóstico e terapêutica da cólica renal na gestação é:
Em paciente com 63 anos, menopausada há 10 anos, que nunca fez uso de terapia de reposição hormonal, foi evidenciado ao ultrassom mioma calcificado que comprime o ureter direito. A melhor conduta nesse caso é:
Mariana tem 8 meses de idade e está com diarreia aguda, sem sangue ou muco, há 2 dias. Apresenta sinais moderados de desidratação, e por esse motivo foi iniciada a Terapia da Reidratação Oral (TRO). Após início da TRO, houve aumento do número e do volume das evacuações, sem agravamento do estado geral. Qual a conduta indicada?
Compartilhar