Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

O que a Escala de Coma Glasgow avalia no paciente politraumatizado?

BSC, de 65 anos, sexo masculino, tem quadro arrastado (seis meses) de alteração da força muscular, que iniciou na perna esquerda, com dificuldades de levantar o pé e, após três meses, a outra perna também estava fraca. Há um mês, os sintomas pioraram, aparecendo fraqueza do braço esquerdo e alteração da voz. Ao exame, notam-se atrofia muscular, sensibilidade normal, hiperreflexia global a fasciculação. O diagnóstico do quadro descrito é:
Com relação ao diagnóstico e tratamento da apendicite aguda, pode-se afirmar, EXCETO:
Um paciente masculino de 54 anos, comparece ao ambulatório apresentando nódulo em topografia de parótida esquerda. Ao exame trata-se de um nódulo sólido à palpação, medindo aproximadamente 2,5 cm, móvel e elástico. Não apresenta déficit motor facial. Também já havia realizado alguns exames complementares: - Ultrassonografia: Nódulo sólido, algo heterogênio, bem delimitado, na topografia da glândula parótida esquerda. - PAAF: amostra paucicelular, inapropriada para análise. - Cintilografia com tecnésio: Imagem nodular, captante do radioisótopo, na topografia da glândula parótida esquerda. Com base nesses dados, o diagnóstico mais provável é:
Paciente com 30 anos, Go Po Ao, múltiplos parceiros, mantendo relação sem preservativos, chega ao serviço de saúde com queixa de corrimento vaginal fétido, purulento e prurido vulvar. Ao exame físico, nota-se secreção amarelada, exsudando pela vagina, eritema vaginal segmentar e colpite macular. Nesse caso, deve-se solicitar:
Compartilhar