Questões na prática

Clínica Médica

Pneumologia

O tromboembolismo pulmonar (TEP) agudo é situação clínica comum associada à alta morbidade e mortalidade, quando o tratamento não é instituído de forma adequada. Como a sua apresentação clínica é variável, estima-se que 50% dos casos de TEP agudo não são diagnosticados; portanto, é fundamental identificar os doentes em risco, seguir investigação diagnóstica e iniciar o tratamento recomendado. Dado esse contexto, assinale a alternativa INCORRETA:

A
Os sintomas mais comuns são a dispneia e a dor torácica. A repercussão clínica dependerá da extensão da obstrução vascular.
B
O dímero-D tem baixa sensibilidade, porém alta especificidade para seu diagnóstico.
C
Cirurgia abdominal e pélvica, pós-operatório em UTI, puerpério, varizes, TEP prévio comprovado são alguns dos fatores de risco maiores.
D
A angiotomografia de tórax (angioTC) permite visualizar os trombos centrais e periféricos, bem como revelar alterações do parênquima pulmonar, mediastinais ou pleurais que possam justificar o quadro clínico, além de não ser invasiva.
E
O uso de trombolíticos ainda é questionável. Atualmente é indicado no TEP maciço com instabilidade hemodinâmica.
Paciente, 6 meses de idade, previamente hígido vem ao atendimento com coriza nasal hialina há 5 dias; febre diária (2 picos que cedem com antitérmico) há 4 dias, e há 3 dias com chiado no peito e tosse seca. Houve diminuição do apetite neste período. Nota-se regular estado geral, taquidispneico, acianótico, anictérico e tórax com retração intercostal e subdiafragmática. A ausculta pulmonar evidencia murmúrio vesicular presentes, porém, diminuídos difusamente em bases posterior com aumento do tempo expiratório e sibilos esparsos. FR = 60 irpm e FC = 150 bpm. O diagnóstico e os agentes etiológicos comuns desta doença são:
Você é responsável pelos cuidados clínicos prestados a homem de 80 anos, internado com pneumonia e descompensação do diabetes melitus. Durante as visitas hospitalares matinais rotineiras você encontra o paciente sonolento e, nas duas últimas noites, você tem recebido telefonemas da enfermeira do turno da noite, relatando que o paciente apresentou agitação ao entardecer, não aceitando os medicamentos ou alimentos por via oral. Sobre o quadro acima, é correto afirmar, EXCETO:
Ao recepcionar em sala de parto um RN prematuro de 35 semanas e realizar os primeiros passos, o neonatologista observa, neste RN, uma respiração irregular e FC de 50 bpm. Qual a conduta a ser tomada?
RN a termo, com 24 horas de vida, inicia icterícia que se estende até a Zona III de Krammer. Mãe Rh negativo com teste de Coombs indireto negativo. RN tipo A positivo com teste de Coombs direto fracamente positivo. O RN encontra-se em bom estado geral, com peso de 3200 g. Qual o diagnóstico provável e a conduta, nesse caso?
Compartilhar