Questões na prática

Clínica Médica

Hematologia

Nefrologia

Os mecanismos principais da anemia da insuficiência renal crônica são deficiências de:

A
ferro e hemólise no sistema extracorpóreo.
B
eritropoietina e de vitamina B12.
C
ferro, perda sanguínea e intoxicação por alumínio.
D
eritropoietina e diminuição da sobrevida dos eritrócitos.
E
ferro e vitamina B12.
Paciente de 40 anos de idade dá entrada no pronto-socorro com dor lombar direita, iniciada há 24 horas, de forte intensidade, acompanhada de náuseas e vômitos. Ao exame físico, ela apresenta sinal de Giordano positivo. A temperatura está normal. Exames laboratoriais revelam sumário de urina com hematúria microscópica e leucograma normal (8.000/mm³). Além disso, tomografia revela cálculo ureteral de 8 mm no ureter terminal, associado com dilatação ureteral e piélica de leve para moderada. A conduta inicial mais adequada é:
Menino de 04 anos deu entrada na emergência com história de 05 dias de febre baixa, diarreia semipastosa poucas vezes ao dia, dor torácica, taquicardia e taquipneia. Eletrocardiograma com baixa voltagem. No exame físico foi observado turgência jugular, pulso paradoxal e ritmo de galope. O Raio X de tórax mostrava aumento da área cardíaca e da trama pulmonar com linhas de Kerley. Nega outros sintomas. O diagnóstico é:
No sangramento abundante das lesões hepáticas grau V, podemos empregar uma manobra na tentativa de controlar ou diminuir a perda sanguínea do paciente. Essa manobra é executada colocando-se uma pinça vascular delicada através do forame de Winslow em direção à margem do ligamento hepatoduodenal. A denominação é dessa manobra é: (Referência: GAMA RODRIGUES, J. J.; MACHADO, M. C. C.; RASSLAN, S. - Clínica Cirúrgica FMUSP. Editora Manole 2008).
Em relação às cardiopatias congênitas, são apresentadas as assertivas a seguir: I. A comunicação interventricular é a cardiopatia congênita acianótica mais prevalente. II. Pais portadores de cardiopatia congênita têm risco maior que a população geral de terem filhos com malformação cardíaca. III. No caso de pais hígidos e um filho com cardiopatia congênita, não existe risco aumentado de ocorrência de malformação cardíaca em próximas gestações. Qual é a alternativa correta?
Compartilhar