Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Paciente, 18 anos de idade, apresenta em avaliação médica de rotina TA: 160 x 110 mmHg. Tem história familiar de hipertensão arterial. Ritmo urinário sem alterações, com urina de aspecto normal. Ao exame, apresenta-se sem outras alterações à exceção de esmagamento nos cruzamentos arteriovenosos na retina e imagem em “chama de vela” na oftalmoscopia. Não há diferença pressórica entre os membros. A medicação que deve ser usada com cautela, nesse paciente, é:

A
propranolol.
B
nifedipina.
C
losartana.
D
diurético tiazídico.
E
clonidina.
Uma paciente de 36 anos com história de cefaleia frontotemporal bilateral, opressiva, quase diária, há mais de 10 anos, procura atendimento no PS por cefaleia com características distintas das crises habituais. Relata, atualmente, cefaleia holocraniana intensa, pulsátil, associada à náusea e vômito, de início súbito, há 12 horas, durante estresse emocional. Nega febre, distúrbio de consciência e quaisquer outros sintomas neurológicos. Ao exame neurológico, encontrava-se lúcida e orientada; à fundoscopia as papilas encontravam-se nítidas e com bordos regulares, porém não se visualizou pulsação venosa retiniana espontânea. Considerando-se esses dados, qual a conduta imediata mais apropriada para o caso?
Paciente de 67 anos, portador de hipertensão arterial, tem colesterol total de 280 mg/dL, HDL 32 mg/dL, triglicerídeos 190 mg/dL e cintura 104 cm. Fez uma CT Slice-64 para diagnóstico de doença coronariana. Que parecer clínico é dado ao paciente?
Em um paciente idoso com hipotensão arterial postural sintomática idiopática, qual medicamento poderá ser empregado?
É fator de risco para doença associada ao Clostridium difficile, em idosos internados em enfermaria de hospital geral, para tratamento com antibióticos.
Compartilhar