Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Paciente, 18 anos de idade, apresenta em avaliação médica de rotina TA: 160 x 110mmHg. Tem história familiar de hipertensão arterial. Ritmo urinário sem alterações, com urina de aspecto normal. Ao exame, apresenta-se sem outras alterações à exceção de esmagamento nos cruzamentos artério-venosos na retina e imagem em “chama de vela” na oftalmoscopia. Não há diferença pressórica entre os membros. Quanto ao tratamento desse paciente, a meta deve ser:

A
internação imediata e redução da TA em 25% nas primeiras 6 horas
B
retorno com uma semana para reavaliação da TA
C
indicação de mudanças alimentares e de estilo de visa, com reavaliação em 3 meses
D
internação para observação e estudo, redução da TA em 24 horas
E
redução da TA com medicação oral, com reavaliação em 1 semana
Mulher obesa, internada para cirurgia bariátrica, apresenta, no segundo dia de pós-operatório, na UTI, queda da saturação da hemoglobina. Está sedada e em uso de ventilação mecânica. A chapa de Raios-X de tórax tirada no leito mostra condensação homogênea triangular à esquerda, com desvio da traqueia para o lado da lesão, retração costal e apagamento da silhueta cardíaca. Esse achado é indicativo de:
Na toxidade sistêmica provocada por anestésicos locais:
Em relação ao diabetes insipidus, é correto afirmar que:
Dilatação da parede esofágica, que ocorre mais frequentemente em pessoas acima de 50 anos, sendo raramente diagnosticada em crianças, mais comum no sexo masculino, tratando-se de doença adquirida, sendo sua incidência de 0,1 a 1,8% nos exames contrastados do aparelho digestivo alto:
Compartilhar