Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Paciente, 18 anos de idade, apresenta em avaliação médica de rotina TA: 160 x 110mmHg. Tem história familiar de hipertensão arterial. Ritmo urinário sem alterações, com urina de aspecto normal. Ao exame, apresenta-se sem outras alterações à exceção de esmagamento nos cruzamentos artério-venosos na retina e imagem em “chama de vela” na oftalmoscopia. Não há diferença pressórica entre os membros. Quanto ao tratamento desse paciente, a meta deve ser:

A
internação imediata e redução da TA em 25% nas primeiras 6 horas
B
retorno com uma semana para reavaliação da TA
C
indicação de mudanças alimentares e de estilo de visa, com reavaliação em 3 meses
D
internação para observação e estudo, redução da TA em 24 horas
E
redução da TA com medicação oral, com reavaliação em 1 semana
Gestante com pré-natal sem intercorrências, saudável, jovem, com gestação a termo, dá entrada na maternidade com dor abdominal e sangramento vaginal, com o diagnóstico de descolamento de placenta e indicação imediata de cesárea. O bebê nasceu com frequência cardíaca de 60 bpm, muito largado, respiração lenta e irregular, nenhuma resposta à aspiração das narinas e cianótico. Após ser aspirado e ventilado com máscara e bolsa, se apresenta, com 5 minutos de vida, com frequência cardíaca de 120 bpm, respiração lenta e irregular, alguma flexão das extremidades, fazendo careta à aspiração das narinas, com corpo róseo e extremidades cianóticas. A avaliação do índice de Apgar ao nascimento e a conduta a ser tomada, respectivamente, são:
A Sífilis congênita pode apresentar lesões cutâneas com as seguintes características:
O paciente politraumatizado, com abertura ocular com estímulos verbais, flexão anormal aos estímulos dolorosos e emissão de sons incompreensíveis tem Glasgow de:
Além dos pulmões, o bacilo da tuberculose pode se disseminar no momento da primoinfecção, implantar-se e multiplicar-se em qualquer órgão ou tecido. Cerca de 20% dos casos de tuberculose em crianças tem apresentação extrapulmonar. Assinale a forma de tuberculose extrapulmonar mais comum na criança.
Compartilhar