Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Paciente, 18 anos de idade, apresenta em avaliação médica de rotina TA: 160 x 110 mmHg. Tem história familiar de hipertensão arterial. Ritmo urinário sem alterações, com urina de aspecto normal. Ao exame, apresenta-se sem outras alterações à exceção de esmagamento nos cruzamentos arteriovenosos na retina e imagem em “chama de vela” na oftalmoscopia. Não há diferença pressórica entre os membros. A medicação que deve ser usada com cautela, nesse paciente, é:

A
propranolol.
B
nifedipina.
C
losartana.
D
diurético tiazídico.
E
clonidina.
Qual é o teste laboratorial mais confiável para o diagnóstico de ataque agudo de malária?
Qual a alternativa que completa o seguinte texto: A ___________________ é uma doença de etiologia _________________, que acomete predominantemente o sexo _________________, na faixa etária ________________.
Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem comorbidades, deu entrada no pronto atendimento com quadro de dor abdominal, em andar superior, há 36 horas, irradiada para as costas, associada a náuseas e sensação de estufamento abdominal. Ao exame físico: PA - 130 x 70, Pulso - 92, Temperatura - 37.8ºC, e dor à palpação abdominal, principalmente em epigástrio. Exames laboratoriais: VG - 47, 11.300 leucócitos, 14% bastões, 140.000 plaquetas, amilase - 1.350, lipase 980. Ecografia de abdome: distensão de alças de intestino de delgado, múltiplos cálculos em vesícula biliar. Em relação ao caso descrito acima é correto afirmar que: I. jejum, correção hidroeletrolítica, analgesia e antibioticos devem parte da prescrição inicial deste paciente; II. a colecistectomia laparoscópica deve ser realizada após 4-6 semanas; III. caso após 48-72 horas o paciente ainda apresenta restrição de dieta via oral, a nutrição parenteral é a melhor forma de suporte calórico-proteico; IV. colangiopancreatografia endoscópica retrógrada e retirada cálculo da via biliar principal é essencial para o tratamento.
Em relação as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST):
Compartilhar