Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Paciente, 20 anos de idade, G1P0A0, dá entrada em serviço de emergência, com atraso menstrual de 15 dias, referindo dor em baixo ventre e sangramento por via vaginal há dois dias. Nega passado de DST. Ao exame, TA: 120 X 60 mmHg, PR: 70 bpm, temperatura de 36,8°C. Abdome plano, flácido e não doloroso à palpação. Ao toque, útero discretamente aumentado de volume, não doloroso. Não foram palpadas massas anexiais. Beta-HCG: 700 mUI/ml (terceiro padrão internacional). USG revela útero vazio e tumoração heterogênea de 1,5 cm, em região anexial esquerda. O próximo passo, nesse caso, deve ser:

A
repetir o beta-HCG e a USG com 48h
B
realizar videolaparoscopia
C
realizar laparotomia
D
fazer curetagem uterina
E
administrar metotrexate
Uma mulher de 50 anos de idade teve seu último ciclo menstrual há um ano após histerectomia subtotal abdominal. Apresenta sintomas do tipo fogachos, déficit de memória e adinamia. Sua mãe, de 70 anos de idade, fraturou recentemente o quadril, e uma prima de 2° grau tem câncer de mama. A paciente está preocupada com a osteoporose e pergunta de que forma esta pode ser evitada. Um exame de densitometria óssea de três anos atrás quando menstruava mostrava valores abaixo da faixa etária esperada. Qual das seguintes medidas preventivas seria a mais útil para esta paciente?
Criança com tumor de Wilms, em bom estado geral e com hemograma normal, apresenta febre de 38ºC sem foco de infecção detectável ao exame clínico. Não tem cateter central implantado. Qual a conduta mais adequada?
Homem de 29 anos, vítima de acidente automobilístico sofreu fratura fechada de diáfise de fêmur direito. Internado com tração esquelética há 2 dias, começou a apresentar desconforto respiratório, confusão mental, taquicardia, petéquias e febre. Gasometria revela PO2 de 55 mmHg, P.A . 110 x 70 mmHg. A hipótese diagnóstica provável é:
Paciente de 68 anos, tabagista e hipertenso, apresentou quadro de hematúria macroscópica. Após a investigação inicial, foi submetido a exame endoscópico, que demonstrou lesão vegetante na parede lateral direita da bexiga com 4 cm. Feita ressecção transuretral completa da lesão, o exame anatomopatológico revelou um tumor urotelial de alto grau com invasão da lâmina própria, mas sem comprometimento da camada muscular vesical. Biópsias aleatórias de outras regiões da bexiga foram negativas, e o restante do estadiamento não demonstrou doença extravesical. Com base no caso clínico, assinale a assertiva INCORRETA:
Compartilhar