Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Paciente 3 gesta 1 para (cesárea) 1 aborto (espontâneo), 34 anos, com hipertensão arterial pré-gestacional, em uso de metildopa 1,5 mg/dia, é atendida em consulta de pré-natal com 38 semanas. Ao exame: pressão arterial = 130 × 90 mmHg; altura uterina = 30 cm; dinâmica uterina ausente; toque = colo grosso, posterior dilatado 2 cm, membranas íntegras, apresentação cefálica; amnioscopia = líquido claro com grumos grossos. Ausência de edemas. Prova de vitalidade fetal revela feto ativo com índice de líquido amniótico normal. Conduta:

O manejo do paciente acometido de doença ou trauma inclui a dor e a ansiólise. As abordagens inadequadas da sedação e analgesia podem piorar as condições do paciente, levando a um catabolismo, persistente, que pode resultar em sequelas e aumento da mortalidade. Assinale a alternativa que contém situações que se associam ao manejo inadequado da dor aguda.
Um homem de 42 anos notou nódulo levemente doloroso na pálpebra superior há 3 semanas. Ao exame físico o nódulo é firme, sem ulceração. A conjuntiva e a córnea estão aparentemente normais. O exame histopatológico evidenciou “processo inflamatório constituído por linfócitos de permeio a células epitelioides e células gigantes”. Qual é o provável diagnóstico?
Criança de 7 anos é trazida ao ambulatório de cirurgia pediátrica com histórico de sinais flogísticos recorrentes em região cervical anterior. O exame físico encontra um nódulo de mais ou menos 1,7 cm de diâmetro em linha média, de consistência fibroelástica, caudal ao osso hióide. A mãe informa que a lesão “mexe pra cima e pra baixo quando a criança engole”. O diagnóstico mais provável é de:
Mulher de 55 anos procura atendimento de urgência devido a desconforto precordial súbito iniciado há cerca de três horas. O eletrocardiograma mostra supradesnivelamento do segmento ST na parede anterior, com ondas T invertidas e profundas. Há discreto aumento de troponina. A arteriografia das coronárias realizada de urgência não revelou lesões obstrutivas na macrocirculação epicárdica. O ecocardiograma revelou disfunção predominantemente apical do ventrículo esquerdo. Não havia história de cardiopatia prévia. Sabia ser diabética há cinco anos e estava em uso de sitagliptina (inibidor da dipeptidil peptiase-4) e dieta. Familiares relataram que a paciente havia tido sério desentendimento com uma filha na manhã daquele dia. Tratada sintomaticamente, seu quadro clínico e laboratorial retornou ao normal em poucos dias. Este quadro é indicativo de:
Compartilhar