Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Paciente, 35 anos de idade, negra, nuligesta, obesa, diabética e tabagista, vem ao consultório médico para avaliação de rotina. Nega fluxo patológico genital. Refere fluxo menstrual de 28 a 30 dias/3 a 5d/++. Ao exame físico, TA: 120 x 70 mmHg, PR: rítmico e cheio, com 65 bpm. Abdome plano flácido e não doloroso à palpação. Trouxe preventivo normal. USG: útero aumentado de volume à custa de 2 nódulos miomatosos, um subseroso e outro intramural, medindo o maior 2,0 cm x 1,8 cm. Volume uterino de 126 cm³. Ovários de volume e ecotextura habituais. Deseja engravidar futuramente. Em relação aos dados epidemiológicos, dos apresentados pela paciente não se correlaciona com aumento na incidência do mioma:

A
raça
B
nuliparidade
C
obesidade
D
diabetes
E
tabagismo
No atendimento da vítima de violência sexual com traumatismo genital deve-se oferecer profilaxia para as DSTs, exceto:
A contração da vesícula biliar após ingesta de gordura determinando dor em hipocôndrio direito na presença de obstrução ao fluxo biliar deve-se principalmente à liberação de:
O método de maior acurácia no diagnóstico pré-operatório da litíase coledociana é:
Atualmente, está sendo comercializada no Brasil a vacina tetravalente contra o Papilomavírus Humano (HPV) que tem indicação para a faixa etária de 9 a 26 anos. Esta imunoterapia confere proteção contra os seguintes sorotipos do HPV considerados de alto risco oncogênico:
Compartilhar