Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Hematologia

Paciente, 5 anos de idade, em tratamento de leucemia linfoide aguda há 6 meses. Há 6 horas, apresentou quadro de coriza hialina e febre 38,5°C, 1 pico isolado que cedeu com uso de dipirona. Sem outras queixas. Último ciclo de quimioterapia há 1 semana. Ao exame: BEG, descorado (+/++++), acianótico, anictérico, sem edemas. Boca e ouvido: s/alterações. FR: 26 irpm; murmúrio vesicular simétrico, sem ruídos adventícios; FC: 108 bpm; bulhas rítmicas, normofonéticas, sem sopros; abdome normotenso, sem visceromegalia; ruídos hidroaéreos presentes e normoativos. Sem sinais meníngeos. Hemograma: Hb = 8,6 g/dl; GB = 1.200/mm³ (12% segmentados e 88% linfócitos). Plaquetas: 68.000/mm. A conduta é:

A
internação imediata, observação rigorosa e antibioticoterapia endovenosa de amplo espectro.
B
manutenção de antitérmico e observação domiciliar, com retorno em 24 horas para reavaliação ou antes, se piora do quadro.
C
amoxacilina 50 mg/kg/dia de 8/8 horas por 7 dias.
D
solicitar radiografia de tórax, ultrassom de abdome, culturas e definir conduta após resultados de exames.
Em relação à prova tuberculínica cutânea (PPD) é correto afirmar:
É um fármaco que frequentemente induz lúpus:
Um adolescente de 16 anos procura a emergência de um hospital referindo febre intermitente, associado à dores lombares e nas grandes articulações de forma migratória. História de amigdalite há cerca de 3 meses. Apresenta VHS elevada e titulação elevada de antiestreptolisina A. Neste caso, deve-se tratar inicialmente com:
MRS, 28 anos, com 28 e 5/7 semanas de gestação, procura Unidade Básica de Saúde, onde faz pré-natal informando que seu parceiro está com sífilis. O obstetra solicita para a paciente VDRL (Venereal Disiases Research Laboratory) e FTA-Abs (Fluorescent Treponemal Antibody - Absorption), que vieram positivos. Por apresentar alergia documentada a penicilina gestante foi tratada com estearato de eritromicina por 15 dias. Tanto o parceiro como a paciente fizeram seguimento sorológico mantendo, após tratamento, VDRLs negativos. Com 38 e 3/7 semanas, paciente entra em trabalho de parto de dá a luz, por via de parto normal a recém-nascido pesando 3.740g, com Apgar 9 e 9, sem nenhuma alteração ao exame físico. Qual a conduta diante desse recém-nascido?
Compartilhar