Questões na prática

Clínica Médica

Neurologia

Paciente com 18 anos, portador de epilepsia com história de várias crises convulsivas nas últimas 24h. Início da crise em dedo indicador esquerdo, com acometimento de lábio e posteriormente braço ipsilateral. Relata o uso de fenitoína 300 mg/dia e fenobarbital 100 mg/dia. Chega ao Pronto Atendimento com história de paralisia de membro superior esquerdo. Dados vitais: PA 140 x 100 mmHg, FC 100 bpm e temperatura de 36,7ºC. Em relação ao caso, é correto afirmar:

A
Hidantal EV não seria boa opção, pelo paciente já apresentar uso crônico da medicação
B
Paciente apresenta paralisia de Todd com provável recuperação após meses
C
Quadro de epilepsia jacksoniana é compatível com crises parciais simples
D
Ressonância magnética encefálica poderia demonstrar sinais de esclerose temporal mesial
E
EEG realizado com alteração descrita como ponta-onda 3 hertz
Pacientes de 54 anos fez mamografia há 15 dias, que mostrou nódulo neoformado de 5 mm isodenso, fez ultrassom que mostrou tratar-se de nódulo cístico homogêneo de bordos regulares, história familiar de mãe com câncer de mama aos 84 anos. Qual a melhor conduta?
A alternativa em que estão presentes parâmetros de avaliação da gravidade da hepatopatia, segundo a classificação de CHILD-TURCOTTE-PUGH, é:
Escolar, oito anos, comparece ao consultório com a mãe, preocupada com a doença do filho. Ela traz vários exames já realizados e solicita o parecer do médico. Ao exame clínico, a criança apresenta palidez cutâneo-mucosa, manchas café-com-leite, baixa estatura e ausência dos polegares. No hemograma, o VCM está alto e a eletroforese de hemoglobina revela níveis aumentados de hemoglobina F. O diagnóstico provável é:
Após realização de cardiotocografia intraparto, médico detecta presença de taquicardia fetal (167 bpm) e desaceleração do tipo cefálico. O exame obstétrico evidencia dilatação cervical de 9 cm com 100% de apagamento, apresentação cefálica no plano +2 de De Lee. A melhor conduta neste caso é:
Compartilhar