Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Paciente, com 22 anos de idade, nuligesta, submeteu-se à videolaparoscopia e anexectomia unilateral por cisto ovariano. O resultado anatomopatológico da peça foi de cistoadenocarcinoma seroso. A melhor conduta oncológica é:

A
Reabordagem cirúrgica com histerectomia total, salpingo-oforectomia contralateral, coleta de lavado peritoneal, omentectomia infracólica e linfonodectomia pélvica e periaórtica.
B
Reabordagem cirúrgica com coleta de lavado peritoneal, omentectomia infracólica, linfonodectomia pélvica e periaórtica, biópsias peritoneais e biópsia do ovário contralateral, mesmo se macroscopicamente normal.
C
Reabordagem cirúrgica com coleta de lavado peritoneal, omentectomia infracólica, linfonodectomia pélvica e periaórtica e biópsias peritoneais múltiplas.
D
Não é necessária reabordagem cirúrgica, uma vez que já há indicação para realização de quimioterapia adjuvante, independente de novos achados anatomopatológicos.
E
Não é necessária reabordagem cirúrgica ou quimioterapia, uma vez que já foi realizada anexectomia.
Um lactente do sexo masculino com um mês e dez dias de vida, vem encaminhado de outro serviço com quadro de choro intenso e movimentação limitada em membro superior direito. Houve uma única consulta de pré-natal aos dois meses de gestação. Ao exame físico, também se observou descamação nas palmas das mãos e plantas dos pés, além da palpação de fígado a 3,5 cm do RCD e baço a 2 cm do RCE. O exame radiológico evidenciou periostite em úmero direito. A melhor terapêutica, neste caso, é:
Paciente, três anos de idade, é levado à consulta com história de obstrução nasal há mais de 20 dias, eliminando secreção amarelada e fétida, acompanha anorexia, irritabilidade e febre. O estado geral é bom, nota-se conjuntivite purulenta à esquerda. O diagnóstico mais provável é:
Jovem de 14 anos de idade, com dor pélvica aguda na região hipogástrica direira (FID), febre, calafrios, e com ciclos menstruais regulares. Sinal de Blumberg positivo. O diagnóstico clínico mais provável é:
Recém-nascido, a termo, filho de mãe diabética, parto vaginal, apgar 9/10 com bolsa rota há 3 dias. Líquido amniótico normal. Mãe não apresentava febre e tinha hemograma normal. Inicia quadro de hipoatividade e déficit de sucção com 48h de vida. Apresentava glicemia 50 mg/dl. Hemograma com 20.000 leucócitos com relação J/T de 0,20. Plaquetas 100.000 e presença de granulações tóxicas nos neutrófilos. A conduta neste paciente deve incluir:
Compartilhar