Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Paciente com 35 anos, sexo masculino, profissão pedreiro, procedente de Curitiba deu entrada no Pronto Socorro, no mês de julho, com quadro de febre (38oC), dores musculares (abdome e panturrilha), icterícia, sangramento nasal, cefaleia que se iniciou há 3 dias. Além disso foi observado um rash cutâneo difuso, urina concentrada frequência respiratória de 28 movimentos respiratórios por minuto e frequência cardíaca de 100 bat/min. Frente a este caso, considerando a epidemiologia, qual o PRINCIPAL diagnóstico?

A
leptospirose.
B
febre hemorrágica do West do Nilo.
C
dengue clássico.
D
dengue hemorrágico.
E
febre amarela.
Fármacos do grupo dos benzodiazepínicos e fenotiazínicos melhoram os sintomas comportamentais nos pacientes com quadros demenciais, porém possuem como efeitos colaterais:
Lactente de oito meses de idade, que pesava, ao nascer, 3000 g e, atualmente, pesa 8000 g, iniciou, há 20 dias, quadro de febre alta, vômitos e fezes líquidas, algumas vezes com raias de sangue. Atualmente ele mantém diarreia líquida, associada a distensão abdominal, flatulência excessiva e assadura periana. O diagnóstico provável é diarreia:
Um recém-nascido com 25 dias de vida foi levado ao pediatra porque sua mãe notou que ele estava amarelinho. Ao exame, o bebê estava ictérico 3+/4, hidratado, eupneico, pesando 2400 g. Ele nasceu de parto vaginal, após 38 semanas de gestação, pesando 2320 g, e com Apgar 6/8. Com relação a esse caso, o pediatra deve considerar que:
Adolescente de 17 anos há 5 dias iniciou febre, odinofagia e fadiga. O exame físico revela tonsilite exsudativa com aumento e sensibilidade bilateral dos linfonodos cervicais posteriores. O baço é palpável a 3 cm abaixo do rebordo costal. O agente etiológico mais provável da doença deste paciente é:
Compartilhar