Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Paciente, com 48 anos de idade, G4P2A2, submetida à histerectomia subtotal, há 8 anos, por miomatose uterina com história de sinusorragia há 4 meses e há 15 dias vem apresentando sangramento vaginal persistente e dor pélvica. Ao exame, notou-se bom estado geral, descorada +/4+, tórax e abdome normais. No exame especular notou-se a presença do colo uterino, vagina normal e o orifício externo não estava individualizado pela presença de lesão irregular e sangramento. Ao toque, o corpo uterino não é palpável e o colo é doloroso à mobilização. No toque retal, a mucosa é lisa, o paramétrio esquerdo está irregular e doloroso, sendo que a irregularidade atinge a parede óssea da pelve. Existe encurtamento do paramétrio direito. Qual das alternativas indica a suspeita diagnóstica, o exame para confirmação e o tratamento?

A
Câncer de colo uterino - biópsia da lesão, quimioterapia e radioterapia.
B
Câncer do colo uterino - colposcopia com biópsia dirigida e conização.
C
Cervicite aguda com parametrite - cultura e antibioticoterapia de amplo espectro.
D
Câncer de colo uterino avançado - biópsia da lesão e cirurgia radical e radioterapia.
Entre as situações citadas abaixo, a principal causa de abdome obstrutivo em lactente é:
A ocorrência de corpos estranhos localizados nas cavidades nasais, nas orelhas e na orofaringe é motivo de frequentes consultas em serviços de emergência. Sobre esse tipo de ocorrência, é correto afirmar:
Paciente de 19 anos, sexo feminino, deu entrada na Sala de Reanimação do Hospital com quadro de confusão mental, febre (39ºC), queda do estado geral e cansaço aos mínimos esforços há dois dias. Acompanhante relata o início súbito dos sintomas. Há dois dias a paciente estava hígida e não havia antecedentes dignos de nota. O exame físico demonstra palidez cutânea mucosa, confusão mental e rebaixamento do nível de consciência, sem outras alterações. Exames complementares: Hb/Ht: 8,5/26 (VCM: 85/HCM: 28); leucócitos: 20.000 (meta: 0/bast: 3/segmentados: 65/eosinófilos: 2/basófilos: 1/linfócitos: 25/monócitos:4%); plaquetas: 98.000; ureia/creatinina: 180/2,2; Na/K: 145 mEq/L/4, 4 mEq/L; glicose: 98 mg/dl; DHL: 1080; VHS 110. Análise morfológica do sangue periférico revela anisocitose (2+), com presença de esquizócitos em moderada quantidade. Para esse caso, a principal hipótese diagnóstica é:
Ainda com relação ao caso anterior, qual a melhor conduta a ser tomada?
Compartilhar