Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Hematologia

Paciente com história de hepatite crônica por vírus C, sem seguimento médico ambulatorial há 12 anos, apresenta-se ao pronto socorro com queixa de aumento progressivo de volume abdominal e desconforto respiratório. Ao exame apresenta-se consciente, com aranhas vasculares, eritema palmar, ascite tensa e circulação colateral evidente em parede abdominal. Baseando-se no caso apresentado, assinale a alternativa INCORRETA:

A
Na presença de RNI acima de 2, deve-se transfundir plasma fresco antes de realizar a paracentese.
B
Na presença de mais de 250 polimorfonucleares na análise do líquido ascítico, deve-se suspeitar de peritonite bacteriana espontânea.
C
Pela presença de desconforto respiratório e ascite tensa, a conduta inicial de escolha é a paracentese terapêutica com retirada de até 5.000 ml do líquido ascítico.
D
Na terapia de manutenção, utiliza-se espironolactona associada à furosemida.
E
O uso de diuréticos por via endovenosa não está indicado no tratamento de ascite secundária à cirrose.
Paciente jovem com diarreia crônica bem caracterizada e sinais clínicos de desnutrição. Se quisermos confirmar a síndrome de má absorção e diferenciar um defeito primário da mucosa de um defeito na digestão das gorduras, usaremos respectivamente:
Paciente apresenta durante esforço físico, quadro agudo de cefaleia, vômitos e quadro comatoso. O exame neurológico mostrava sinais de irritação meníngea intensa. Qual o diagnóstico mais provável:
Acidente vascular isquêmico, com lesão da cápsula interna direita provocará, clinicamente:
Paciente de 43 anos com quadro de fadiga, cefaleia, anorexia e dor em quadrante superior esquerdo do abdômen. Ao exame nota-se massa palpável no rebordo costal esquerdo compatível com esplenomegalia. Qual das alternativas abaixo é menos provável de explicar o quadro clínico
Compartilhar