Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Paciente de 24 anos de idade, sexo feminino, com diagnóstico de retocolite ulcerativa inespecífica. Apresenta quadro de dor abdominal difusa, febre, distensão abdominal. Ao exame físico encontra-se com confusão mental, temperatura de 39º C, abdome distendido e doloroso difusamente à palpação, com descompressão brusca positiva. A radiografia simples de abdome apresenta grande distensão de colo transverso, que tem diâmetro de 10 cm, não se observando sinais de pneumoperitônio. Com relação ao caso descrito, o diagnóstico e a conduta seriam:

A
megacolon tóxico - colectomia subtotal com ileostomia e fechamento do coto retal à Hartmann.
B
volvo de sigmoide - retosigmoidoscopia descompressiva.
C
neoplasia de colo obstruída - colostomia em ângulo hepático do colo.
D
colite pseudo-membranosa - antibióticos de largo espectro.
E
colite isquêmica - vasodilatadores.
Com relação à Hiperplasia Prostática Benigna, assinale a alternativa CORRETA:
Criança de 3 anos, com história ou crises convulsivas, em uso regular de fenobarbital dá entrada no Pronto-socorro com convulsão tônico clônico generalizada de duração maior do que15 minutos, segundo relato dos pais. Mãe refere que a criança não recebeu as últimas 2 doses da medicação. Qual é a sequência adequada de condutas para esse caso?
Você recebe em seu consultório, acompanhado pelos pais, recém-nascido com sete dias de vida, encaminhado para sua primeira consulta de puericultura. Mãe refere que paciente foi diagnosticado, durante o pré-natal, portador da Síndrome de Down (SD) por translocação. Os pais foram avaliados e a mesma translocação foi encontrada no cariótipo materno. Os pais trazem diversas dúvidas sobre os resultados dos cariótipos. A respeito desse achado, você pode corretamente afirmar:
Homem, 59 anos, vai ao ambulatório de urologia com queixa de intensos sintomas urinários de esvaziamento há aproximadamente 2 anos, que vêm piorando progressivamente. Tem história de 2 prostatites agudas e 1 orquiepididimite no período e 3 episódios de hematúria macroscópica nos últimos 6 meses. Ao exame físico encontra-se afebril, com globo vesical palpável e toque retal com próstata aumentada, fibroelástica, lisa, sem nódulos e com sulcos e limites bem definidos. Traz exames laboratoriais, sendo relevantes: Urina I com 14.000 leucócitos = 10.000 hemácias, Urocultura negativa e PSA = 2,2 ng/ml, Creatinina = 2,4 mg/dl e ureia = 76 mg/dl. Na ultrassonografia identifica-se próstata de 66 g, bexiga com paredes espessadas e com trabeculações, sem lesões vegetantes, dilatação ureteropielocalicial bilateral moderada e resíduo pós-miccional de 230 ml. Qual a conduta apropriada?
Compartilhar