Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Paciente de 24 anos de idade, sexo feminino, com diagnóstico de retocolite ulcerativa inespecífica. Apresenta quadro de dor abdominal difusa, febre, distensão abdominal. Ao exame físico encontra-se com confusão mental, temperatura de 39º C, abdome distendido e doloroso difusamente à palpação, com descompressão brusca positiva. A radiografia simples de abdome apresenta grande distensão de colo transverso, que tem diâmetro de 10 cm, não se observando sinais de pneumoperitônio. Com relação ao caso descrito, o diagnóstico e a conduta seriam:

A
megacolon tóxico - colectomia subtotal com ileostomia e fechamento do coto retal à Hartmann.
B
volvo de sigmoide - retosigmoidoscopia descompressiva.
C
neoplasia de colo obstruída - colostomia em ângulo hepático do colo.
D
colite pseudo-membranosa - antibióticos de largo espectro.
E
colite isquêmica - vasodilatadores.
Na displasia do desenvolvimento do quadril, em crianças de até 6 meses de idade, indica-se como exame de imagem a:
Paciente masculino, de 51 anos apresenta-se ao pronto socorro relatando um episódio de hematêmese há 2 horas, com aproximadamente 200 ml de volume. Nega melena. Nega doença péptica ou uso de anti-inlamatórios não esteroides. Nega etilismo. Ao exame clínico apresenta-se consciente, com pressão arterial 110/68mmhg, pulso 115bpm, frequência respiratória 18 mrm, hipocorado, sem sinais de irritação peritoneal. A respeito do caso apresentado assinale a alternativa CORRETA:
Paciente de 55 anos, assintomático, apresenta diagnóstico de câncer de próstata. PSA total: 12,5. Toque retal: próstata endurecida em lobo direito. Biópsia de próstata: adenocarcinoma de próstata. Gleason 8 (5+3). Todos os fragmentos comprometidos em lobo direito. Estadiamento não evidenciou doença a distância. T2bN0M0. Qual (is) a (s) opção (ões) de tratamento para este paciente?
Homem consultou por vir apresentando há 5 dias hiperemia conjuntival mais intensa em um dos olhos, presença de folículos na conjuntiva e adenopatia pré-articular. Qual o diagnóstico mais provável?
Compartilhar