Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Hepatologia

Paciente de 59 anos, masculino, com aumento do volume abdominal procura pela primeira vez atendimento médico. Apresenta aumento lento e progressivo do volume abdominal há dois meses, associado à fadiga. Ao exame físico, o paciente encontra-se emagrecido, ictérico +/4, com aumento do volume abdominal e sinal de Piparotte positivo. Em relação à ascite que ocorre nesse caso, está INCORRETO afirmar que:

A
A paracentese, além de confirmar a presença da ascite, é a grande arma para diagnosticar a causa básica do derrame peritoneal.
B
A probabilidade de peritonite bacteriana espontânea aumenta quando a dosagem de proteína do líquido ascítico for maior que 1,0g/dL.
C
O gradiente soro-ascite da albumina > 1, 1g/dL sugere hipertensão portal.
D
O principal mecanismo de formação da ascite é a retenção de sódio e água pelos rins, associado à hipoalbuminemia e à hipertensão portal.
E
O início insidioso da ascite, sem fatores precipitantes, indica pior prognóstico.
O carcinoma das células de HURTLE é frequentemente considerado:
Lactente, dois meses, chega ao Serviço de Emergência por apresentar tosse há duas semanas. A mãe nega febre. Pré-natal regular, sem intercorrências. Parto normal, alta em 48 horas, PN = 3.200 g. Aleitamento materno exclusivo. Ela relata que o RN aos 15 dias apresentou conjuntivite, com secreção purulenta. O exame físico revela criança em bom estado geral, afebril, taquipneico (FR = 60), acianótico. Estertores e sibilos à ausculta pulmonar. Radiografia de tórax evidencia hiperinsuflação e infiltrados intersticiais difusos. O agente etiológico mais provável é:
Um jovem de 20 anos de idade bateu seu carro contra um poste. Não usava cinto de segurança e, ao ser resgatado e trazido à sala de emergência, apresentava-se com fraturas importantes maxilofaciais e em sofrimento respiratório. A conduta, neste caso, deve ser:
Um paciente de 18 anos, do sexo masculino deu entrada no Pronto-Socorro com história de ter sofrido traumatismo craniano há 4 horas, durante uma partida de futebol (chocou-se com outro jogador). No momento do trauma, o paciente não perdeu a consciência e continuou jogando. Após 20 minutos do trauma, evoluiu com cefaleia e pediu para ser substituído. Após 45 minutos do trauma, apresentou piora da cefaleia e iniciou vômitos. Após 2h do trauma, evoluiu com sonolência e rebaixamento progressivo do nível de consciência. Na sua admissão ao hospital estava em Glasgow 7 com anisocoria à direita. Qual é o diagnóstico mais provável?
Compartilhar