Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Paciente de 62 anos, previamente hígido, procurou o pronto socorro por melena. Foi submetido à endoscopia digestiva alta, a qual demonstrou úlcera duodenal com vaso visível, sem sangramento ativo. Assinale a alternativa INCORRETA em relação ao caso apresentado:

A
O risco de sangramento recorrente é elevado.
B
Deve-se manter o uso de inibidores de bomba de prótons ou antagonistas H2 endovenosos em doses elevadas.
C
A presença de vaso visível é indicação de terapia endoscópica.
D
O paciente deve ser hospitalizado
E
Em caso de recorrência do sangramento após terapia endoscópica, pode-se tentar novo tratamento endoscópico.
Geraldo, 68 anos de idade, vítima de atropelamento, dá entrada em choque hipovolêmico grave que não responde a infusão de 4000ml de Ringer Lactato. É iniciada a infusão de concentrado de hemácias e levado a laparotomia exploradora. Durante a cirurgia são infundidas mais de 8 bolsas de concentrado de hemácias e o paciente continua sangrando com grande laceração hepática. O cirurgião decide então a aplicar o controle do dano. Em relação à cirurgia de controle de dano pós-traumatismo, assinale a afirmativa CORRETA:
Paciente do sexo masculino com 25 anos de idade e diabético deu entrada no serviço de pronto atendimento com queixas de dor abdominal, febre e vômitos há 48 horas. Ao exame físico, o paciente estava desidratado. Considerando esse caso clínico, julgue o seguinte item: A dosagem sérica de sódio nesse paciente estará provavelmente elevada, devido à perda volêmica sem reposição adequada.
Uma mulher de 28 anos de idade procurou o ambulatório de clínica médica, relatando que há um mês vem apresentando fadiga e fraqueza. Seu exame clínico estava nos limites normais. Nos exames laboratoriais realizados destacaram-se: cálcio sérico ionizado de 8,2 mg/dL (valores de referência: entre 4,6 mg/dL e 5,0 mg/dL); paratormônio = 96 pg/mL (valores de referência: entre 11 pg/mL e 54 pg/mL) e albumina sérica normal. Com base nesses dados, julgue o item a seguir. Nessa paciente, deve ser possível provocar facilmente a flexão do punho, a extensão das articulações interfalangianas e a adução do polegar pela manutenção da insuflação do manguito de um esfigmomanômetro (colocado no braço homolateral) e mantido cerca de 10 mmHg acima da pressão arterial diastólica, por cerca de 3 a 10 minutos.
Paciente masculino, 52 anos, queixa-se de diarreia esbranquiçada que deixa o vaso sanitário engordurado, com pelo menos quatro episódios diários, que iniciou há aproximadamente 6 meses com piora progressiva. O quadro é acompanhado de distensão abdominal e dor leve em mesogástrio. Houve perda de peso de 12 Kg neste período. Nega uso de medicações de forma rotineira, exceto analgésicos simples para artrite migratória, diagnosticada há cinco anos. Ao exame físico observa-se hiperpigmentação cutânea em mãos e braços, temperatura axilar de 38,1ºC, pressão arterial de 95/ 60mmHg, frequência cardíaca de 98 bpm. Os exames laboratoriais solicitados revelaram presença de anemia hipocrômica, teste de tolerância à lactose normal, antigliadina IgA não reagente, EPF sem alterações, coprológico demonstrando gorduras fecais e coprocultura negativa. A endoscopia digestiva alta foi normal, e a biópsia duodenal demonstrou presença de mucosa com infiltrado de macrófagos cheios de lipídeos e positivos a coloração de ácido de Schiff. Qual o diagnóstico do paciente?
Compartilhar