Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Paciente de 64 anos, portadora de DM2 há 6 anos, hipertensa em uso de captopril 50 mg (1 comprimido ao dia) e metformina 850 mg (3 comprimidos ao dia), deu entrada na Emergência com quadro de febre, lombalgia e diurese diminuída. Submetida a exames: creatina 1,6 mg/dl, ureia - 85 mg/dl, depuração de creatina - 30 ml/min, EAS - nitrito positivo, piúria maciça, leucocitose - 18000 com 10 bastões e 75 segmentados, glicemia - 230 mg/dl. A melhor conduta é:

A
suspender metformina, iniciar antibioticoterapia, hidratação e esquema de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, conforme HGT.
B
manter metformina, iniciar antibioticoterapia, hidratação e esquema de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, conforme HGT.
C
suspender metformina, urinocultura, hidratação e esquema de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, conforme HGT.
D
suspender metformina, iniciar antibioticoterapia, hidratação, iniciar insulina de ação prolongada e esquema de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, conforme HGT.
Em relação às doenças tireoidianas, podemos afirmar que:
Alberto foi atendido em via pública. Apresentava-se com fratura simples de tornozelo, trauma torácico, turgência de veias jugulares; PA = 50/30mmHg, ausculta cardíaca com abafamento de bulhas e ausculta pulmonar normal bilateralmente. A conduta de emergência será:
Qual a droga de escolha para tratamento das tromboses venosas profundas?
Recém-nascido a termo, nascido de parto normal, Apgar 8/9, não necessitou de manobras de reanimação. Apresentou desconforto respiratório sendo encaminhado para UTIN, com melhora do quadro nas primeiras horas de vida. Evoluiu com sangramento em locais de punção venosa, coto umbilical e intestinal. Mãe epilética em uso de fenitoína durante a gravidez. A hipótese diagnostica mais provável para o caso é:
Compartilhar