Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

Paciente de 65 anos, apresenta biópsia de mama positiva para carcinoma ductal, moderadamente diferenciado, obtido por core biópsia. Ao exame clínico, tumoração de 3 cm, em quadrante superior externo de mama direita, com retração de pele. A palpação da axila revela linfonodo endurecido e semifixo. A pesquisa de metástases à distância foi negativa. Como conduta inicial de tratamento, sugere-se:

A
Mastectomia radical de Halsted.
B
Mastectomia radical modificada de Pattey.
C
Mastectomia radical modificada de Maden.
D
Quadrantectomia e pesquisa do linfonodo sentinela.
E
Quimioterapia neo-adjuvante.
Recém-nascido a termo , de mãe primípara, sem intercorrências no pré-natal e no parto, com 6 horas de vida, está tendo dificuldade com a amamentação. Criança não urinou nem evacuou. Ao exame, o único sinal observado foi icterícia em face e parte superior do tronco. O diagnóstico provável e a conduta são:
Assinale a alternativa CORRETA quanto à síndrome de Cushing.
O diagnóstico definitivo da influenza pelo vírus H1N1 pode ser feito pelos métodos de biologia molecular (PCR) com maior precisão. Ensaios de detecção antigênica (Elisa e imunofluorescência) diferenciam entre influenza A e B somente. Um teste positivo para influenza A não diferencia influenza sazonal (H3 ou H1) da infecção pela influenza H1N1. A sensibilidade do ensaio de detecção antigênica para detectar influenza H1N1 não é ainda conhecida. Testes comerciais rápidos de detecção antigênica que usam swabs de garganta ou nariz estão disponíveis e podem fornecer um resultado em 15-30 minutos. O teste rápido geralmente tem uma sensibilidade de 60 a 80% comparado com a cultura do vírus. Assim, um teste negativo não exclui influenza. A sensibilidade desses testes sugere que o teste rápido é menos útil onde a probabilidade pré-teste é alta (isto é, durante a fase de transmissão sustentada de uma pandemia estabelecida). Com base na informação acima, é INCORRETO afirmar:
A utilização de zidovudina (AZT) por via oral durante 6 semanas em recém-natos nascidos com exposição perinatal ao HIV faz parte da estratégia para evitar a transmissão vertical do agente. Qual é o evento adverso mais frequente desse antirretroviral e que deve ser avaliado laboratorialmente?
Compartilhar