Questões na prática

Clínica Médica

Nefrologia

Paciente de 80 anos, com arterioesclerose generalizada, interna com quadro de insuficiência renal aguda (IRA), 4 dias após realização de aortografia. Ao exame físico, notava-se livedo reticularis em membros inferiores, dedos dos pés azulados, hipocomplementenemia e eosinofilúria. O diagnóstico mais provável é:

A
IRA por aneurisma dissecante de aorta.
B
IRA pós-contraste.
C
IRA por nefrite intersticial.
D
IRA por glomerulonefrite aguda crescêntica.
E
IRA ateroembólica.
Dentre as pacientes que procuram os ambulatórios de Doenças Sexualmente Transmissíveis, é comum ter de fazer a distinção entre úlcera genital da sífilis primária e do cancro mole. O diagnóstico diferencial, com bases clínicas, pode ser feito adotando as seguintes observações:
Paciente de 48 anos, casada, 2 filhos adolescentes vivos, agenda consulta com ginecologista em virtude de amenorreia que faz 8 meses. Assintomática, realizou recentemente check-up ginecológico e mamário que estavam normais. Não tem fatores de risco para tromboembolismo ou câncer. Qual a proposta para essa paciente?
Em relação ao nódulo solitário da tireoide, é correto afirmar que:
Mulher de 67 anos, tabagista, foi internada na UTI com quadro de febre, tosse, expectoração purulenta, dispneia e hipotensão. Exame físico: PA: 90x60 mmHg, pulso: 128 bpm, FR: 36 ipm, temperatura: 39,8º C; pulmonar: crepitações em todo o hemitórax direito. Imediatamente, foram colhidos hemoculturas e exames gerais. A gasometria arterial mostrou acidose metabólica, hipoxemia e excesso de bases (base excess) de - 10 mmol/L (normal: de -3 a + 3), lactato arterial: 24 mg/dL (normal até 14). Nesse momento, pode-se afirmar que ela apresenta mais provavelmente quadro de:
Compartilhar