Questões na prática

Clínica Médica

Pneumologia

Paciente do sexo feminino, 32 anos, do lar, procura atendimento com história de tosse seca, dispneia e chiado há 10 anos, desencadeado por mofo, poeira, fumaça e mudança climática, dentre outros. Nega asma na infância e também tabagismo. Nos últimos 30 dias, refere sintomas diários, sintomas noturnos uma vez na semana, uso diário de B-2 agonista inalatório de curta ação. Traz espirometria, que mostra distúrbio ventilatório obstrutivo leve com variação significativa de fluxo após uso de broncodilatador. O exame físico no momento da consulta é normal. O tratamento medicamentoso de manutenção para essa paciente deve ser:

A
Corticoide inalatório em baixa dose e ß2-agonista de longa ação.
B
ß2-agonista de curta ação e xantina de longa ação.
C
ß2-agonista de longa ação.
D
Antileucotrieno e corticoide oral.
Alguns medicamentos anti-hipertensivos em mulheres não-grávidas são mais úteis em condições específicas. Qual destas combinações está contraindicada?
Dos fatores abaixo citados qual não exibe correlação com a diabetes gestacional?
O tabagismo está presente na carcinogênese de vários tumores. Nas sequências abaixo qual a que contém apenas órgão/sedes em que o fumo é fator determinante no aparecimento de canceres?
É considerado Shunt portossistêmico seletivo, empregado para o tratamento da hipertensão porta:
Compartilhar