Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Cirurgia do Aparelho Digestivo

Paciente do sexo feminino, 32 anos, vítima de capotamento de automóvel, trazida ao PS pelos bombeiros que referiram dificuldade para retirá-la dos destroços. Os bombeiros referiram que a paciente tinha o nível de consciência rebaixado, não abria os olhos, nem após estímulo doloroso, emitia sons ininteligíveis e só movia os membros sob estímulo doloroso. Foi admitida entubada e sob ventilação com ambu e oferta de O2 e infundido 21 de Ringer Lactato no local do acidente. Ao exame físico o tórax apresentava escoriação em hemitórax esquerdo, com discreta crepitação palpável. O murmúrio vesicular era moderadamente diminuído à esquerda. O pulso é filiforme , 120 bpm e a PA 50x50 mm/Hg. Foi observada à esquerda e a pupila esquerda se encontrava dilatada. A bacia era estável, porém havia deformidade e aumento do volume da coxa esquerda. Assinale a alternativa correta:

A
A paciente acima não tinha indicação de entubação traqueal porque não há história de obstrução de vias aéreas secundárias ao trauma.
B
A paciente apresenta provável pneumotórax hipertensivo à esquerda, secundário à fratura de costelas estando indicada a drenagem de tórax imediata
C
A paciente apresenta trauma craniano e tem como prioridade imediata a realização de TC de crânio e provável craniotomia D é um elemento radiativo
D
O paciente apresenta choque hipovolêmico grau III, parcialmente justificado pela fratura de fêmur, porém não há como excluir hemorragia intra-abdominal com os dados fornecidos
E
O paciente deve ser monitorizado com oximetria de pulso para verificar a saturação de O2, sondagem nasogástrica para evitar aspiração de conteúdo gástrico e sondagem vesical para avaliar a perfusão tecidual e a hidratação administrada
Mulher de 38 anos queixa-se de desânimo e fraqueza. Exames séricos hormonais: tiroxina livre (T4 livre): 0,4 ng/dl (valores normais: 0,8 a 1,9 ng/dl) e hormônio tireoestimulante (TSH): 0,5 mUI/ml (valores normais: 0,4 a 4,0 mUI/ml). O diagnóstico mais provável e a conduta inicial são, respectivamente:
Um paciente é levado à emergência após colisão frontal com outro veículo. O paciente não responde, nem mesmo a estímulo doloroso, e está apneico; contudo, ele tem pulso. Qual achado clínico excluiria diagnóstico de morte cerebral?
"Padilha (Ministro da Saúde) chamou a atenção para o crescimento dos casos de câncer de cólon e reto, que hoje ocupa o segundo lugar no ranking dos tipos mais frequentes entre mulheres (atrás dos tumores de mama) e o terceiro entre homens (depois das neoplasias de próstata e de traqueia, brônquio e pulmão). Noronha atribui o aumento a vários fatores: obesidade, sedentarismo, envelhecimento e alimentação inadequada. Diante dos números, Padilha afirmou que um grupo deverá avaliar a possibilidade de se fazer o rastreamento desse tipo de câncer na população, a exemplo do que ja é feito com câncer de colo de útero. O coordenador do Inca contou que poucos países, como França e Noruega, adotam essa estratégia atualmente. No Brasil, exames mais simples, como o para identificação de câncer de colo de útero, apresenta sérias falhas de aplicação. Reportagem publicada pelo Estado neste mês mostra que, entre 2011 e 2012, o número de exames para diagnóstico de câncer de colo de útero caiu 4,6%. O Sistema Único de Saúde (SUS) também teve queda no número de mamografias no primeiro semestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2012. A queda vai na contramão do plano apresentado há mais de dois anos pela presidente Dilma Rousseff para prevenção dessas duas doenças." Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo, 27 Novembro 2013. Sobre o rastreamento de câncer no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, assinale a resposta INCORRETA:
Num paciente atendido em via pública, com fratura simples de membro inferior, trauma torácico, turgência de jugulares; queda acentuada da pressão arterial; murmúrio vesicular presente e normal bilateralmente, e abafamento de bulhas. A conduta de emergência será:
Compartilhar