Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Paciente do sexo masculino, 45 anos, branco, refere emagrecimento, poliúria, polifagia e polidipsia há 40 dias. Tabagista e hipertenso há 3 anos. Sem outros antecedentes. Pai diabético, mãe hipertensa e coronariopata (IAM aos 50 anos). Medicações em uso: enalapril 40 mg/dia. Exame físico: IMC: 34 kg/m²; CA: 111 cm; PA: 120 x 80 mmHg; FC: 88 bpm; demais, sem alterações. Assinale a alternativa que representa a melhor hipótese diagnóstica.

A
Diabetes mellitus tipo 1.
B
Obesidade grau II.
C
Diabetes mellitus autoimune.
D
Diabetes mellitus tipo 2.
E
Diabetes mellitus secundário.
RN, 4 dias de vida, veio para consulta ambulatorial 48 horas após alta hospitalar para reavaliação. Antecedentes: gestação sem intercorrências, parto normal a termo, Apgar: 8/9, peso: 3100 gramas, apresentou dificuldade para sugar ao seio e perda ponderal de 9% nas primeiras 24 horas. Tipagem sanguínea do recém-nascido: A Rh positivo. A avaliação de bilirrubina total nesta consulta foi de 23 mg/dl com 1 mg/dl de bilirrubina direta. Foi colocado em fototerapia de alta intensidade e o controle após 6 horas mostrou queda dos níveis de bilirrubina total para 19 mg/dl. A CONDUTA É:
Menina, 12 anos, previamente hígida, refere ter percebido que o ombro direito está mais elevado que o esquerdo. Nega menarca. Exame físico: elevação do ombro direito e protuberância na região torácica posterior direita com a flexão do tronco (teste de Adams: +). Radiograma de coluna toracolombar: curva torácica longa com convexidade para a direita de 18º; Radiograma de bacia: graduação de Risser I. O DIAGNÓSTICO E A CONDUTA SÃO:
Criança com três anos de idade, com história de trauma nasal há 2 horas. Apresentou epistaxe no momento do trauma. O exame específico mostrou edema (++/4) e equimose (+/4) da região. Confirmada a presença de fratura nasal com pequeno desvio, sem outras alterações. A conduta recomendada é
Pedrinho com 3 meses de vida é levado pela mãe ao Pronto Socorro Infantil com história de tosse há 3 dias, febre baixa, não medida, inapetência, chiado no peito, cansaço e dificuldade para mamar. História pregressa: RN de parto via vaginal, à termo, peso nascimento 3.300 g, estatura: 49 cm. APGAR 9/10. Seio materno exclusivo. Ao exame físico: peso atual: 6.200g, estatura: 60 cm, frequência cardíaca: 120 bpm, frequência respiratória: 56 rpm, temperatura axilar:37,8ºC. Bom estado geral, taquipneico, sibilos difusos com tempo expiratório prolongado e presença de estertores subcrepitantes esparsos. Exame realizado: RX de tórax: hiperinsuflação com retificação dos arcos costais, área cardíaca dentro dos limites da normalidade, arcabouso ósseo íntegro. Qual a hipótese diagnóstica, mais provável para o caso acima?
Compartilhar