Questões na prática

Clínica Médica

Neurologia

Paciente feminina, 46 anos, proveniente de Pedro Rosário-MA, chega ao ambulatório. Refere diagnóstico de enxaqueca crônica e nega outras patologias conhecidas. Queixa de cefaleia unilateral pulsátil, retro-orbitária, intensa, que lhe acorda à noite e dura cerca de 1 hora, sudorese fria; refere cerca de três crises ao dia, durante cerca de dois meses, todos os anos, há 2 anos. Refere alcoolismo crônico. Ao exame, ptose palpebral, miose e congestão ocular unilateral e ipsilateral ao local da dor; sem outras alterações ao exame físico. Qual o provável diagnóstico e conduta adequada?

A
“Cluster haedache”, oxigenioterapia a 100% na crise e carbonato de lítio a longo prazo.
B
Enxaqueca sem aura, sumatriptano na crise e propranolol a longo prazo.
C
Cefaleia tensional; AINE na crise e amitriptilina a longo prazo.
D
Tumor retro-orbitário, dexametasona VO e encaminhar para neurocirurgia.
E
Nenhuma das opções acima.
Sobre as crises de ausência, é correto afirmar:
Nas recomendações da American Heart Association (Dez 2005), a relação correta entre ventilações e compressões cardíacas é:
No atendimento de um paciente que apresenta parada cardiorrespiratória testemunhada no serviço de emergência, com ECG mostrando fibrilação ventricular, qual a conduta mais apropriada?
Considerando o diagnóstico de Trombo Embolismo Pulmonar, pode-se afirmar:
Compartilhar