Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Paciente G3P2A0 (último parto há 3 anos) apresenta-se no pré-natal com 8 semanas e Coombs indireto (+). Relata ter feito imunoglobulina anti-Rh na gestação anterior. O marido tem tipagem Rh (-) Du (-). Qual a conduta a ser tomada nesta gestação?

A
Imunoglobulina anti-Rh profilática na 28ª semana e pós-parto.
B
Coombs indireto seriado mensal e acompanhamento fetal com Doppler de artéria cerebral média.
C
Imunoglobulina anti-Rh somente após o parto, depois da quantificação de hemorragia feto-materna pelo teste de Kleihauer-Betke.
D
Não administrar imunoglobulina e seguimento pré-natal normal.
E
Realizar cordocentese por volta da 28ª semana para quantificação da anemia fetal pela espectrofotometria do líquido amniótico.
Criança nascida de parto a termo, sem intercorrências, apresenta-se com cianose refratária ao uso de 02 com Fi02 a 100%. Dentre os achados clínicos, observa-se sopro cardíaco sistólico, com padrão de sobrecarga cardíaca esquerda e hemibloqueio anterior esquerdo. No RX há padrão de hipofluxo. Com os dados acima, qual a cardiopatia mais provável?
Um paciente chega ao pronto-socorro do HUCAM com um quadro crônico agudizado de retenção urinária. Tem globo vesical palpável e muita dor. A conduta imediata é:
Um paciente de 54 anos, masculino, com quadro de icterícia obstrutiva e emagrecimento. Colangioressonância revela tumoração na via biliar, na confluência dos hepáticos, com invasão do ramo esquerdo da artéria hepática. A melhor conduta a ser adotada é:
Mulher, 72 anos de idade, apresenta há três semanas, febre baixa, fadiga, anorexia, cefaleia temporal direita intensa e dificuldade para a mastigação. Ao exame, observou-se hipersensibilidade e dor à palpação na região temporal. Qual é a conduta?
Compartilhar