Questões na prática

Clínica Médica

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Reumatologia

Paciente G4P1A3 (3 abortamentos espontâneos entre 6-8 semanas seguidos de parto vaginal de feto morto com 28 semanas por DPPNI) chega ao consultório para consulta pré-natal com diagnóstico de síndrome do anticorpo antifosfolípide. Qual a melhor conduta no caso?

A
Suplementação de progesterona via vaginal até 12 semanas e AAS 100 mg/dia do diagnóstico até o final da gestação.
B
Enoxaparina 40 mg/dia + AAS 100 mg/dia do diagnóstico até o final da gestação.
C
Enoxaparina 40 mg/dia no 1° e 3° trimestre e warfarin 5 mg/dia no 2º trimestre + AAS 100 mg/dia toda a gestação.
D
Warfarin 5 mg/dia + AAS 100 mg/dia do diagnóstico até o final da gestação.
E
AAS 100 mg/dia a partir de 14 semanas até o final da gestação.
Acerca da avaliação e do tratamento de pacientes politraumatizados, julgue o item subsequentes. É necessária a avaliação radiológica de toda a coluna vertebral dos pacientes com fratura da coluna cervical, pois cerca de 10% deles apresentam uma segunda fratura.
Com respeito às hérnias da parede abdominal, julgue o item seguinte. De acordo com a classificação de Nyhus para hérnias inguinais, todas as hérnias indiretas são do tipo III A, B ou C.
Acerca da avaliação e do tratamento de pacientes politraumatizados, julgue o item subsequente. Os sinais mais precoces de síndrome compartimental são o deficit motor e o desaparecimento do pulso distal.
Em Santa Catarina, o “teste do pezinho” inclui a dosagem da tripsina imunorreativa. Concentrações acima dos limites normais são sugestivas de fibrose cística, doença caracterizada por infecções pulmonares de repetição, desnutrição e diarreia crônica. Sobre a terapêutica, podemos afirmar que:
Compartilhar